Lira turca regista nona semana seguida de quedas, igualando recorde de 1999

A economia turca tem sofrido com pressões financeiras e políticas que deixam a moeda do país numa trajetória de desvalorização que só encontra paralelo há mais de 20 anos atrás, num ano em que dois terramotos mortais e a dissolução do governo levaram a uma crise profunda.

A lira turca fechou esta sexta-feira a sua nona semana consecutiva de desvalorização, a pior série da divisa desde 1999. A conversão da moeda fechou a semana perto da barreira psicológica das 8 liras por dólar, refletindo as preocupações dos mercados com a instabilidade na região e a política monetária demasiado relaxada, sublinha a Bloomberg.

Depois da subida inesperada das taxas de juro em setembro, que parecia sinalizar aos investidores uma política mais agressiva por parte do banco central, a manutenção das taxas inalteradas que resultou da reunião do regulador turco na passada quinta-feira surpreendeu os mercados e analistas.

A economia turca tem sofrido uma forte pressão pelas baixas taxas reais de juro e a pressão que colocam os inúmeros ativos turcos detidos por investidores estrangeiros, que já venderam 11,2 mil milhões de euros de ações e obrigações provenientes do gigante do Médio Oriente. Além disso, tensões geopolíticas, como o escalar da retórica dirigida a cipriotas e gregos relativamente à exploração e gás natural no Mediterrâneo ou os conflitos no Cáucaso, agravam a situação do governo de Ancara.

Em resposta à Bloomberg, o ministro do Tesouro e das Finanças turco argumenta que a economia do país poderia beneficiar de uma lira “competitiva”, de forma a estimular as exportações. A Turquia foi, até agora, o país que mais divisas externas gastou no mundo este ano.

Recomendadas

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

Primeira-ministra da Escócia quer referendo sobre independência em 2021

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, afirmou hoje que pretende organizar em 2021 um segundo referendo sobre a independência desta província britânica caso o partido que lidera vença as eleições locais de maio próximo.
Topshop - Topman

Império britânico de moda Arcadia entra em PER

O colapso do grupo Arcadia, que tem mais de 500 lojas no Reino Unido, marca a maior derrocada empresarial da pandemia.
Comentários