‘Lista negra’ dos Estados Unidos cria tensão em Wall Street

Notícias de que mais empresas chinesas podem integrar a ‘lista negra’ de produtos norte-americanos fazem crescer de novo as preocupações sobre a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Reuters

A bolsa norte-americana iniciou a sessão desta quarta-feira em território negativo, com um aumento das preocupações dos investidores sobre uma nova escalada de tensão na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. Em causa está o plano dos EUA em alargar a ‘lista negra’ de empresas chinesas, semelhantes à tecnológica Huawei.

O tecnológico Nasdaq desvalorizou 0,30% para 7.762,55 pontos, o alargado S&P 500 desceu 0,33% para 2.854,78 pontos e o industrial Dow Jones caiu 0,36%, para 25.785,15 pontos.

“O Secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, indicou que os Estados Unidos não têm planeado uma visita à China, nota que penaliza o sentimento”, explica Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

Entre as empresas que poderão sofrer restrições semelhantes à Huawei está a especialista em videovigilância Hikvision e os investidores estão preocupados que a medida possa levar a mais retaliações da China.

“O que os investidores estão a observar é o facto de que isto poderá ser outra retaliação”, referiu Kim Forrest, diretor de investimentos da Bokeh Capital Partners, em Pittsburgh. Um relatório do “South China Morning Post” descobriu que a China começou a repensar a sua relação com os Estados Unidos, embora ainda esteja aberta a negociações comerciais.

A Qualcomm encontra-se entre as empresas mais atingidas após a abertura da sessão, tombando 9,6%, após ter sido acusada de abuso de posição dominante por um juiz norte-americano. Também a Tesla seguiu a tendência de queda e caiu 1,4%, enquanto a Intel desceu 0,8%.

Em contra-ciclo, o Facebook valoriza 0,4%, a Coca-Cola sobe 0,7% e a Netflix cresce 2,9%.

Ler mais
Relacionadas

PSI 20 cai quando Europa sofre com escalar das relações comerciais entre Washington e Pequim

Casa Branca estará a estudar acrescentar à lista negra do Departamento de Comércio dos EUA até cinco empresas chinesas do setor da videovigilância. Em jeito de resposta, Pequim estará já a tomar medidas contra a atividade de várias empresas norte-americanas com atividade na China.

‘Guerra comercial’ ameaça prejudicar a economia mundial, estima OCDE

O impacto na economia mundial sobre este aumento nas taxas poderá ser quantificado em quase 600 mil milhões de dólares (537 mil milhões de euros), estima a OCDE. A entidade afirma que tanto os EUA como a China vão sair a perder deste medir de forças alfandegárias.
Recomendadas

China e Estados Unidos afogam Wall Street em onda vermelha

No índice tecnológico Nasdaq, apenas dois títulos fecharam em terreno positivo. A história agravou-se no industrial Dow Jones onde apenas uma cotada sobreviveu à fúria vermelha que abalou a bolsa norte-americana.

BCP volta a cair. Bolsas da Europa em queda por causa das tarifas chinesas

Novas tarifas da China aos EUA fazem tombar os mercados. As ações descem mais de 1% e o petróleo cai 3%. Em Portugal o BCP destaca-se por cair quase 3%.

Powell não sacia curiosidade sobre novo corte de juros

Presidente da Reserva Federal norte-americana considerou que a economia norte-americana está num bom momento, no entanto, reconheceu que as incertezas provocadas pela guerra comercial colocam um novo “desafio” à ação do banco central.
Comentários