Liverpool assina acordo de patrocínio milionário com a Nike

Não se sabe a duração nem os valores do contrato mas a imprensa britânica avança que os números possam rondar os 80 milhões de euros, deixando os ‘reds apenas atrás do Real Madrid, FC Barcelona e Manchester United.

O Liverpool anunciou um contrato de patrocínio milionário com a Nike para os próximos anos, deixando assim a New Balance. O clube inglês e a empresa norte-americana não revelaram dados oficiais da duração do vínculo e dos valores envolvidos no negócio, mas segundo avança a “BBC” esta segunda-feira, 7 de janeiro, as verbas envolvidas rondam os 80 milhões de euros.

Um valor que se traduz nos 35 milhões de euros que serão recebidos pelo clube a partir da temporada 2020-21 e aos quais serão adicionados, de acordo com a “BBC”, 20% das vendas de equipamentos.

Um número que fará do contrato do Liverpool com a Nike o quarto maior do mercado, ficando apenas atrás do Real Madrid (que assinou com a Adidas por 110-120 milhões de euros), do FC Barcelona (105 milhões de euros mais variáveis ​​com a Nike) e do Manchester United (cerca de 94 milhões com a Adidas).

Este acordo com a Nike marca o fim de uma etapa do Liverpool com a New Balance, marca que patrocinava os ‘reds’ desde 2015 e que injetou um valor aproximado de 50 milhões de euros nos cofres da equipa.

Em outubro de 2019, o Tribunal Superior de Londres deu razão ao Liverpool no caso que opunha o campeão europeu à marca desportiva norte-americana. O Liverpool recorreu aos tribunais e saiu vencedor na disputa judicial que o opunha à New Balance, que acusava o Liverpool de não permitir que igualasse a oferta da Nike para continuar a vestir o atual campeão europeu.

Relacionadas

Liverpool ganha em tribunal à New Balance e vai garantir acordo milionário com a Nike

A partir da próxima temporada, o Liverpool poderá estar livre para assinar um acordo com outra marca. E a Nike parece ser a marca que está melhor posicionada para garantir o novo acordo de patrocínio dos equipamentos.
Recomendadas

Futebol: campeonatos nacionais não profissionais concluídos antecipadamente pela FPF

A FPF dá por concluídas as provas desta época, sem atribuir vencedores a estas competições nem se fazendo sentir o regime de subidas e descidas.

“Nunca o modelo americanizado esteve tão próximo”, considera juiz do TAD

Que modelos competitivos vamos ter no contexto do desporto europeu após a pandemia de Covid-19. Jerry Silva, juiz do Tribunal Arbitral do Desporto, considera que está aberto o caminho para a realização de competições fechadas como a SuperLiga europeia.

“Vamos precisar de um Plano Marshall para o futebol”

Luís Miguel Henrique referiu na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, que um corte como aconteceu no FC Barcelona, por exemplo, dificilmente poderia ser replicado num clube da Liga portuguesa. “É difícil que o problema se resolva à escala de cada país, FIFA e UEFA têm meios para ajudar os clubes”, realçou.
Comentários