Livro: “Périplo pelos Bares do Mediterrâneo”

Se o expectável seria um rol de museus e locais históricos a visitar, neste livro, Ali Duaji, romancista tunisino de origem turca que também fez da poesia sua casa, preferiu perscrutar os povos mediterrânicos deambulando pelos seus bares.

 

“Estava como que enfeitiçado ante a grandiosidade e majestade daquele cenário, enquanto o barco se aproximava pouco a pouco do porto de Gálata.

É impossível ver uma cena mais esplendorosa e mais bela do que a das altas almádenas brancas erguendo-se, quais velas debaixo do céu de Istambul, ao nascer do sol.

A esta hora, Istambul tem um céu que lhe é exclusivo e que não se vê em mais lado nenhum. Com cores que um poeta ou um pintor não conseguiria compor…”

Em 1933, o tunisino de origem turca Ali Duaji (1909-1949) fez uma viagem em cruzeiro pelo mar Mediterrâneo, partindo de Tunes e aportando em algumas cidades francesas, italianas e gregas antes de chegar a Istambul e Esmirna (desta última, apenas guarda na memória uns deliciosos kebabs).

Inspirado nessa viagem, escreve o texto que dá o título a este livro, que é apresentado como uma novela revolucionária que representa a renovação da literatura árabe do começo do século XX e que deverá constituir-se como uma surpresa para o leitor europeu, pois antecipa, ainda que dentro de uma realidade cultural diferente, a “beat generation” americana, encarnada sobretudo por Jack Kerouac, Charles Bukowski e o poeta e editor Lawrence Ferlinghetti (que a 24 de março completou 101 anos).

Apesar de nunca ter ido além do ensino primário, Ali Duaji foi romancista, novelista, dramaturgo e poeta. Optando por se auto-educar, acabou por se tornar um profundo conhecedor da literatura, história e cultura árabe medieval e moderna e da literatura francesa.

Com o afrouxar da censura pelo governo colonial, fundou o jornal “as-Sūrur”, afamado pelos seus artigos e caricaturas satíricas – que, aliás, dão também o tom a “Périplo pelos Bares do Mediterrâneo” – e que durou poucas semanas, provavelmente devido ao seu temperamento algo indisciplinado e refratário. Mestre de uma ironia fabulosa, foi uma das figuras emblemáticas de um grupo de intelectuais e artistas tunisinos que fazia as suas tertúlias nos cafés da velha medina de Tunes.

Mais interessado em compreender o que há de comum e de diferente entre os povos mediterrânicos, Duaji escreve sobre os seus encontros com os habitantes locais, em vez de descrever museus e monumentos, montanhas, ruas ou praças.

Sobre o título, justificou-o alegando que “foi para estabelecer a verdade relativamente ao que fizemos durante o nosso périplo pelos portos deste esplêndido mar, dos quais nada vimos a não ser os bares e os cafés”. Mas nem só de copos vive este livro, editado pela E-Primatur, e cuja tradução foi feita por Hugo Maia a partir do original árabe.

Eis a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Recomendadas

Três linhas de apoio social na Cultura estão abertas

Esta semana serão ainda divulgadas as condições de acesso aos 8,5 milhões de euros de reforço orçamental do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), retirados do saldo de gerência, também para responder às necessidades dos trabalhadores desta área.

Trabalhadores da Cultura têm cinco propostas para acabar com precariedade

O caderno de contributos e propostas inclui, por exemplo, o fim dos recibos verdes e a aplicação de contratos de trabalho onde figurem “o tempo de trabalho, a remuneração, os encargos sociais do empregador e os encargos sociais do empregado”.

Autorretrato de Rembrandt leiloado na Sotheby’s por 16 milhões de euros

O quadro vendido esta terça-feira é um dos únicos três autorretratos do pintor holandês que se encontram nas mãos de privados.
Comentários