Ljubomir: A lista negra de clientes, o desprezo pelas estrelas Michelin, a casa com piscina e as perguntas ao deputado do PAN

Ljubomir Stanisic voltou à televisão nos serões de domingo. Em entrevista, o polémico chef fala sem papas na língua sobre o seu passado, incluindo uma falência, de como trata os clientes que assediam sexualmente as trabalhadoras do seu restaurante, e porque é que exigiu, e conseguiu, que a sua produtora lhe pagasse uma casa com piscina, “no meio de uma aldeia, baratinha”.

A terceira temporada do Pesadelo na Cozinha já estreou. Ljubomir Stanisic regressou à televisão portuguesa nas noites de domingo. Na sua estreia, o programa liderou as audiências da noite de domingo com 1,2 milhões de espetadores com um share de 24,8%, segundo dados da televisão de Queluz de Baixo.

Conhecido pelo seu estilo frontal, desassombrado e pela sua linguagem vernacular, além dos seus talentos culinários, o chefe nascido na Bósnia e Herzegovina deu uma entrevista à TVI onde abordou vários temas como a lista negra de clientes, o desprezo pelas estrelas Michelin, a casa com piscina e as perguntas ao deputado do PAN.

“Estou-me a cagar para a estrela Michelin, sinceramente. Tenho a vida bem resolvida, tenho restaurantes cheios todos os dias. Se um dia receber, tudo bem”, começou por dizer na entrevista. “A estrela avalia qualidade de serviço, fardas das pessoas, copos de cristal na mesa, loiça que usas e qualidade da cozinha”.

O chef confessou que o objetivo de obter uma estrela Michelin provocou a falência do seu primeiro restaurante. “Tu sabes que o objetivo de ter uma estrela Michelin me levou à falência? Eu em Cascais estava sem cliente nenhum, em 2010, ia a receber a estrela Michelin e fui a falência”.

“Porque investi todo o dinheiro na altura da maior crise na mer**s dos copos de cristal, nas mer**s das toalhas de mesa passadas com goma, continuava a cozinhar igual e não fui distinguido antes, e estar a procura de um objetivo, fui a falência, assumo isso pessoalmente”, disse.

Ljubomir Stanisic também assumiu na entrevista que tem uma lista negra para clientes que não se portaram bem nos restaurantes, como o assédio sexual a trabalhadoras. “Aplico em todos os meus sítios e consigo que eles não venham cá comer. Eles conseguem às vezes dar a volta. Eles não têm noção de que estão na lista negra”.

“Estão lá porque fizeram asneiras dentro do meu restaurante, porque se portaram mal como clientes. São três ou quatro na lista – a big black list. Nunca podem entrar no meu restaurante, são pessoas que se atiraram às minhas empregadas, são pessoal mal educadas”, acrescentou na entrevista à TVI.

O chefe bósnio explicou porque é que aplica esta lista. “Para não tratá-los mal [clientes], para não partir para a violência, quando ofendem uma empregada minha, quando sejam abusados, quando apalpam e pedem o número de telefone… para eu não ser preso, eles não entram no restaurante”.

Ljubomir Stanisic criticou também os chefs que têm 10 a 15 restaurantes, que optam por ter verdadeiros impérios de restauranção. “Não são prostitutas, são p*tas. Eu não tenha nada contra isso, é uma escolha deles”.

“Se eu tiver a oportunidade de ter alguém que me financiasse 50 restaurantes,  ganhar um milhão ou 1,5 milhoes de euros por ano, não escolheria isso. Prefiro o meu sangue, o meu crédito de banco e o meu esforço, funcionários, sócios e todos os empregados que trabalham comigo serem como família. Fazer o nosso trabalho com sangue e suor”, destacou.

Numa entrevista realizada ao Expresso em 2017, o chef afirmou: “Faz-me feliz matar um javali, dar-lhe festinhas enquanto o sangue lhe cai pelo pescoço”. Em reação, o deputado do PAN, André Silva chamou “psicopata” a Stanisic.

Agora, o chef voltou a ser questionado sobre esta acusação, mas preferiu responder com várias perguntas a André Silva. “A maior pergunta para ele é, a avó dele comia o que? Nunca comeu na vida uma cabidela, nunca viu uma matança de porco? Nem o pai, nem o avô? Chama psicopatas ao pai e ao avô?”.

“Eu estou a dar uma morte digna ao animal que vai dar de comer aos meus filhos, que vai dar de comer aos meus clientes. Não posso trata-lo bem? Devo mata-lo com um choque elétrico para ser um ser humano socialmente correcto?”, questionou.

Na entrevista à TVI, o chef também foi questionado pela sua exigência de que para gravar a terceira temporada do programa a produtora teria de lhe pagar uma casa com piscina. “É claro que me deram uma casa com piscina”.

Stanisic contou que “trabalhava para uma produtora, considerava-me uma pessoa mal paga para quem tinha as maiores audiências dos últimos anos em televisão em Portugal. Faço aquilo que sou, e isto deu sucesso televisivo”.

“Via muitas pessoas que faziam o mesmo em televisão, e eram azeiteiros/azeiteiras, e ganhavam seis ou sete vezes mais que eu”, explicou. “A minha casa e a minha piscina, não é como as milionárias que um francês compra aqui, é no meio de uma aldeia é uma coisa baratinha, menos de 100 mil euros. Fiz uma piscina lá dentro e eles pagaram isso, sim senhora”.

Ler mais
Relacionadas

Depois de Cristina Ferreira, TVI volta a perder outra estrela: Ljubomir Stanisic muda-se para a RTP

A estrela de “Pesadelo na cozinha” vai ser um dos chefs a apresentar a série documental “História da Gastronomia Portuguesa” que estreia dia 23 de março na RTP.
Recomendadas

Menezes Leitão é o novo bastonário da Ordem dos Advogados

O candidato Menezes Leitão conseguiu 8.762 votos na segunda volta das eleições, que começaram na quarta-feira e terminaram hoje.

Banco Africano do Desenvolvimento aprova empréstimo de 20 milhões para reforçar setor privado em Cabo Verde

O projeto insere-se no propósito do banco de industrializar o continente africano e de melhorar a vida da sua população, duas das maiores prioridades de desenvolvimento do BAD.

Rui Rio diz que seria cobarde se não indicasse marido de deputada para o Conselho do MP

O líder social-democrata salientou que Rui Silva Leal “tem o perfil adequado” para o cargo para o qual foi indicado e que esta é apenas uma indicação e não uma nomeação, que ainda terá de ser votada pelos deputados na Assembleia da República.
Comentários