Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

Andrew Boyers / Reuters

Cerca de um milhão de moedas comemorativas do Brexit estão a ser destruídas depois de o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ter pedido um adiamento (até ao final de janeiro) da saída do Reino Unido da União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro.

A Casa da Moeda Real britânica utilizou a moeda 50 pences (metade da libra esterlina, cerca de 60 cêntimos) para comemorar as conquistas nacionais – o que inclui, por exemplo, as Olimpíadas de Londres de 2012 –, mas a produção das moedas relativas ao Brexit teve de ser suspensa.

De acordo com a agência financeira “Bloomberg”, que avançou com a notícia, uma porta-voz da instituição confirmou ao “Daily Telegraph” que foram produzidas cerca de um milhão de moedas do dia 31 de outubro e que, agora, têm de ser derretidas. No entanto, o custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

A moeda tinha gravada a data prevista de saída do Reino Unido da UE, 31 de outubro, sob a inscrição “Paz, prosperidade e amizade entre todas as nações”, pelo que o Ministério das Finanças local ordenou a suspensão da produção à entidade emissora de moeda no Reino Unido, no final do mês passado.

Recomendadas

Produção industrial dá sinais de recuperação em maio na UE e zona euro, mas ainda regista quedas homólogas abruptas

Após dois meses de forte contração, devido aos efeitos da pandemia da Covid-19, a produção industrial esboça uma recuperação na Unirão Europeia e na zona euro no mês de maio, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat esta terça-feira, 14 de julho.

EUA realizaram centenas de voos de deportação com infetados por Covid-19

O jornal New York Times investigou mais de 750 voos nacionais da ICE, além de outros 200 com destino a outros países, entre março e junho, a maioria para Guatemala, El Salvador e Honduras.

Japão culpa China pela “desinformação” sobre novo coronavírus

Pequim, acusou o Japão, tem também “continuado incansavelmente ações unilaterais para impor uma mudança no ‘status quo’ nas Ilhas Senkaku”, administradas por Tóquio, pode ler-se no livro.
Comentários