Lotus só vai fabricar carros elétricos a partir de 2028

A empresa sediada em Hethel, Inglaterra, disse que os seus proprietários, a Geely (China) e a Etika Automotive (Malásia), serão responsáveis pelo financiamento para que a fabricante possa aumentar a produção de uma média de 1.500 carros por ano para dezenas de milhares em todo o mundo que serão vendidos em concessionárias ou online.

Lotus Evija

A fabricante britânica de carros desportivos Lotus afirmou que vai investir mais de 2,8 mil milhões de libras (3,2 mil milhões de euros) em novas tecnologias e na expansão maciça da produção dos seus modelos de carros desportivos. A construtora prevê que até 2028 vai vender apenas veículos elétricos, segundo a “Reuters”.

A empresa sediada em Hethel, Inglaterra, disse que os seus proprietários, a Geely (China) e a Etika Automotive (Malásia), serão responsáveis pelo financiamento para que a fabricante possa aumentar a produção de uma média de 1.500 carros por ano para dezenas de milhares em todo o mundo que serão vendidos em concessionárias ou online.

Os planos de investimento incluem uma nova fábrica da Lotus na cidade chinesa de Wuhan. O diretor administrativo da Lotus, Matt Windle, disse que, graças ao apoio da Geely, a montadora foi capaz de investir numa nova oficina de pintura automatizada para a sua fábrica no Reino Unido e alavancou as relações da empresa chinesa com os fornecedores para obter melhores preços, em entrevista à “Reuters”.

A Lotus planeia lançar o seu último modelo de carro desportivo com motor de combustão, o Emira, em julho. Os carros desportivos da empresa custam entre 45 mil libras (51.7 mil euros) e 100 mil libras (115,1 mil euros), e Windle disse que a Lotus permanecerá dentro dessa faixa de preço à medida que for avançando com a expansão.

“Esta é realmente uma nova era para nós”, disse Windle. “Não só será acessível em termos de preço, mas também a nossa qualidade dará um grande salto em frente.”

Windle acrescenta que a Lotus pretende ser totalmente elétrica até 2028 – quando a fabricante fizer 80 anos – embora a data exata possa depender da popularidade do Emira. “Mas, definitivamente, antes do final da década, estaremos totalmente elétricos”, disse Windle.

Windle confirmou ainda que o primeiro carro desportivo elétrico da Lotus será lançado em 2028, mas alerta que tudo dependerá da redução do peso do veículo. As baterias dos veículso elétricos são pesadas e as montadoras premium, como a McLaren, estão a lutar para descobrir como reduzir o peso de um veículo sem perder o desempenho dos carros desportivos.

A Lotus também disse que o Evija, o seu primeiro “hipercarro” elétrico puro, entrará em produção ainda este ano. O Evija terá uma produção limitada de 130 carros e será vendido por dois milhões de libras cada (2,3 milhões de euros).

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários