Lucro da REN cai 67,5% para 4,3 milhões de euros no primeiro trimestre

A REN – Redes Energéticas Nacionais registou 4,3 milhões de euros de lucro no primeiro trimestre, menos 67,5% do que em igual período de 2019, foi hoje anunciado.

“A REN registou um resultado líquido de 4,3 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020, um recuo de 8,9 milhões de euros em comparação com o período homólogo”, indicou, em comunicado, a empresa liderada por Rodrigo Costa.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2019, os resultados apresentam uma redução de 67,5%.

Entre janeiro e março, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) da REN totalizou 118,9 milhões de euros, o que traduz uma redução de 5,1%.

Por sua vez, os resultados financeiros, no período em causa, foram negativos em 13,6 milhões de euros, valor que compara com os – 15,5 milhões de euros apurados no primeiro trimestre de 2019.

Recomendadas

Alemanha é responsável por quase metade das ajudas estatais autorizadas por Bruxelas

“Temos, ao todo, 175 medidas [aprovadas] que totalizam cerca 2,13 biliões de euros”, anunciou hoje a vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, falando numa audição na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.

Comércio automóvel quer flexibilidade fiscal para diferir pagamentos do IUC

O setor do comércio automóvel diz que já tem 50% das visitas de clientes, mas precisa de maiores estímulos para o abate de viaturas em fim de vida, referem os participantes no ’30 a 3′ promovido pelo Montepio Crédito em parceria com o Jornal Económico. O setor considera que é preciso aumentar a confiança do cliente para relançar as vendas de automóveis.
Comentários