Lucros da LVMH aumentam 41%, para três mil milhões de euros no primeiro semestre de 2018

O maior conglomerado de marcas de luxo do mundo, a francesa LVMH, detentora de marcas como a Louis Vuitton e a Tag Heuer, apresentou resultados “excelentes” relativos à operação da primeira metade de 2018. As receitas aumentaram 10%, para 21.750 milhões de euros

A LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, o maior conglomerado de produtos de luxo do mundo, apresentou resultados “excelentes” relativos à primeira metade do ano de 2018. As receitas aumentaram 10% em relação ao período homólogo, para 21.750 milhões de euros. O resultado operacional do grupo acompanhou esta tendência, registando um crescimento de 28% para cerca de 4.648 milhões de euros. Os lucros líquidos também tiveram uma trajetória positiva, passando de 2.127 milhões para os 3.004 milhões de euros, representando um crescimento de 41%.

Bernard Arnault, chairman e CEO da empresa, revelou em comunicado que “os excelentes resultados da primeira metade do ano demonstram uma procura forte das marcas da empresa e a eficácia da estratégia implementada”. “A performance  neste período torna-se ainda mais relevante se se tiver em conta um ambiente cambiário desfarorável” lê-se na nota.

Os resultados do conglomerado, que abarca marcas de luxo que operam em diversos setores, como vinhos e bebidas brancas, moda e vestuário, perfumes e coméstica, joias e relógios, foram alavancados por um “bom começo do ano do segmento dos vinhos e das bebidas brancas”, acompanhado pelo “momento muito positivo da Louis Vuitton que registou margens de lucro a níveis execionais”, boas performances da Bvlgari e das marcas de relógios e ainda um forte crescimento nos mercados asiáticos e nos Estados Unidos.

Entre o aumento de 10% das receitas da LVHM destacam-se o segmento do vestuário, que cresceu 25% em relação à primeira metade de 2017, para 8.594 mil milhões de euros, e os departamentos de perfume e cosmética e de relógios e joias, crescendo em ambos os casos 8%, para 2.877 milhões e 1.978 milhões de euros, respetivamente.

Já no lucro operacional da empresa, todos os segmentos cresceram, com destaque para os relógios e joias (46%) e retalho “seletivo” (39%). No entanto, o segmento da moda e vestuário continua a ser o “peso pesado” da empresa, cujos lucros registados nos primeiros seis meses deste ano, que ascenderam a 2.775 milhões de euros, representam 59% dos lucros operacionais da empresa.

Algumas das marcas incluídas no portefolio da LVMH são:

  • Moët Chandon, Don Pérignon, Belvedere e Henneessy (vinhos e bebidas brancas);
  • Christian Dior, Louis Vuitton, Loewe e Givenchy (moda e vestuário);
  • Bvlgari, Hublot e Tag Heuer (relógios e joias)
Ler mais
Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários