Lucros da LVMH aumentam 41%, para três mil milhões de euros no primeiro semestre de 2018

O maior conglomerado de marcas de luxo do mundo, a francesa LVMH, detentora de marcas como a Louis Vuitton e a Tag Heuer, apresentou resultados “excelentes” relativos à operação da primeira metade de 2018. As receitas aumentaram 10%, para 21.750 milhões de euros

A LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, o maior conglomerado de produtos de luxo do mundo, apresentou resultados “excelentes” relativos à primeira metade do ano de 2018. As receitas aumentaram 10% em relação ao período homólogo, para 21.750 milhões de euros. O resultado operacional do grupo acompanhou esta tendência, registando um crescimento de 28% para cerca de 4.648 milhões de euros. Os lucros líquidos também tiveram uma trajetória positiva, passando de 2.127 milhões para os 3.004 milhões de euros, representando um crescimento de 41%.

Bernard Arnault, chairman e CEO da empresa, revelou em comunicado que “os excelentes resultados da primeira metade do ano demonstram uma procura forte das marcas da empresa e a eficácia da estratégia implementada”. “A performance  neste período torna-se ainda mais relevante se se tiver em conta um ambiente cambiário desfarorável” lê-se na nota.

Os resultados do conglomerado, que abarca marcas de luxo que operam em diversos setores, como vinhos e bebidas brancas, moda e vestuário, perfumes e coméstica, joias e relógios, foram alavancados por um “bom começo do ano do segmento dos vinhos e das bebidas brancas”, acompanhado pelo “momento muito positivo da Louis Vuitton que registou margens de lucro a níveis execionais”, boas performances da Bvlgari e das marcas de relógios e ainda um forte crescimento nos mercados asiáticos e nos Estados Unidos.

Entre o aumento de 10% das receitas da LVHM destacam-se o segmento do vestuário, que cresceu 25% em relação à primeira metade de 2017, para 8.594 mil milhões de euros, e os departamentos de perfume e cosmética e de relógios e joias, crescendo em ambos os casos 8%, para 2.877 milhões e 1.978 milhões de euros, respetivamente.

Já no lucro operacional da empresa, todos os segmentos cresceram, com destaque para os relógios e joias (46%) e retalho “seletivo” (39%). No entanto, o segmento da moda e vestuário continua a ser o “peso pesado” da empresa, cujos lucros registados nos primeiros seis meses deste ano, que ascenderam a 2.775 milhões de euros, representam 59% dos lucros operacionais da empresa.

Algumas das marcas incluídas no portefolio da LVMH são:

  • Moët Chandon, Don Pérignon, Belvedere e Henneessy (vinhos e bebidas brancas);
  • Christian Dior, Louis Vuitton, Loewe e Givenchy (moda e vestuário);
  • Bvlgari, Hublot e Tag Heuer (relógios e joias)
Ler mais
Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários