Lucros da Semapa caem 6,4% em 2019 para 124,1 milhões de euros

A empresa liderada por João Castello Branco explica que a melhoria do EBITDA dos “segmentos de cimento e outros materiais de construção (+18,5 milhões de euros) e ambiente (+2,4 milhões de euros) não foi suficiente para compensar a redução de 83,1 milhões de euros no segmento de pasta e papel”.

A Semapa registou lucros de 124,1 milhões de euros em 2019, o que representa uma queda de 6,4% (ou 8,5 milhões de euros) nos resultados líquidos atribuídos aos acionistas em relação ao ano anterior.

A empresa liderada por João Castello Branco explica que a melhoria do EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) dos “segmentos de cimento e outros materiais de construção (+18,5 milhões de euros) e ambiente (+2,4 milhões de euros) não foi suficiente para compensar a redução de 83,1 milhões de euros no segmento de pasta e papel”.

No ano passado, a Semapa viu o seu volume de negócios consolidado aumentar 1,4%, para 2.228,5 milhões de euros, em termos homólogos, de acordo com a informação transmitida esta quinta-feira ao mercado.

A ‘holding’ informou ainda que o seu EBITDA atingiu os 486,8 milhões de euros, menos 11,2% comparativamente ao ano anterior. “A margem consolidada situou-se nos 21,8%, 3,1 pontos percentuais abaixo da registada no ano anterior”, pode ler-se no relatório e contas publicado esta noite.

O grupo português fundado em 1991 anunciou, após o fecho do mercado, que as exportações e vendas no exterior ascenderam a 1.644,7 milhões de euros (um valor que representa 73,8% do volume de negócios).

No documento divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Semapa refere que no último dia de dezembro de 2019, a dívida líquida consolidada do grupo era de 1.470,7 milhões de euros, menos 81 milhões de euros face ao valor apurado no final do exercício de 2018.

Ler mais
Recomendadas

Haitong Bank antecipa pagamento a fornecedores portugueses e oferece viseiras

O banco de investimento decidiu pagar a pronto as faturas aos fornecedores em Portugal e oferecer material de proteção individual à maternidade Alfredo da Costa.

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.
Comentários