Lucros da Telefónica caem 50% para 1.142 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Segundo a Telefónica, as receitas operacionais antes da depreciação caíram 2,8%, para 2.672 milhões de euros, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina.

A multinacional de telecomunicações espanhola Telefónica teve um lucro de 671 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2020, menos 50,1% do que um ano antes, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina.

Na informação ao mercado enviada hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, a empresa explica que a queda dos benefícios também é devida à pandemia covid-19 e ao efeito negativo das taxas de câmbio, que afetaram as receitas do período, com uma caída de 10,7%, para 32.167 milhões de euros.

No entanto, a Telefónica destaca a redução significativa da dívida em 525 milhões de euros, no terceiro trimestre, passando a dívida total a ser de 36.676 milhões de euros.

Por outro lado, as receitas no terceiro trimestre foram melhores do que no segundo, alcançando 10.340 milhões de euros, menos 14,8% do que um ano antes.

Segundo a Telefónica, as receitas operacionais antes da depreciação caíram 2,8%, para 2.672 milhões de euros, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina, em 785 milhões de euros, embora globalmente o impacto negativo da pandemia de covid-19 tenha sido mitigado “por uma boa e eficaz gestão de custos e investimentos, otimizando as receitas “.

A empresa afirma ter acelerado a digitalização e as transações via internet, tendo no terceiro trimestre as vendas digitais representado 30% do total nos seus quatro mercados mais importantes – Espanha, Reino Unido, Alemanha e Brasil -, mais 36% do que no mesmo período do ano passado.

Nesses quatro mercados já foi detetada uma recuperação, devido à gestão proativa das operações e ao dinamismo da atividade comercial, assegura a Telefónica.

Ler mais
Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários