Lucros de casinos em queda. Jogo online e raspadinha em crescimento

Com o fim dos contratos de concessão dos casinos, estes observam quebras nos seus lucros e assistem ao crescimento dos jogos de azar da Santa Casa e do jogo online.

A sorte parece não estar do lado dos casinos portugueses. No primeiro semestre de 2019, as receitas dos 11 casinos em Portugal apresentaram uma quebra de 1% face ao período homólogo, somando 150 milhões de euros de lucro, indicou a Associação Portuguesa de Casinos ao Dinheiro Vivo.

Segundo o jornal, maio e junho tiveram grande dinamismo e impediram uma quebra superior a 1%. O grupo Estoril-Sol, detido por Stanley Ho, foi o que apresentou ganhos mais baixos, sendo então o mais afetado.

Com o fim dos contratos de concessão dos casinos, estes observam quebras nos seus lucros e assistem ao crescimento dos jogos de azar  da Santa Casa e do jogo online. Os jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa revelou esta semana os números de 2019, apresentando um crescimento de 2,3% com ganhos superiores a três mil milhões de euros, com a raspadinha a liderar a preferência dos apostadores. O jogo online apresentou receitas de 152 milhões de euros, gerando apostas na ordem de 2,4 mil milhões de euros.

O grupo detido pelo macaense Stanley Ho vale 63% do negócio em Portugal. As salas de Lisboa, Estoril e Póvoa de Varzim apresentaram quebras nas receitas na ordem dos 2%, significando menos 1,9 milhões de euros nas contas, totalizando 94 milhões de euros na primeira metade de 2019. As receitas do Casino Lisboa ficaram pelos 42 milhões de euros, menos 0,6% do que no primeiro semestre de 2018.

Por sua vez, a Solverde que explora cinco casinos em Portugal (Espinho, Chaves, Vilamoura, Praia da Rocha e Monte Gordo), rendeu 42,3 milhões de euros durante o primeiro semestre, representando menos 1,8%, ou 800 mil euros do que no período homólogo. Os lucros de Espinho caíram 2,5% para 23 milhões de euros, enquanto o Algarve apresentou descidas de 0,5%, situando as receitas em 15,4 milhões de euros.

O casino da Figueira da Foz apresentou um aumento de receitas na ordem de 7,5 milhões, um crescimento de 3,5%. Tróia terminou o semestre com dois milhões de euros de receitas, um aumento de 21% face a 2018, e a Madeira aumentou 11% para 4,5 milhões de euros.

As salas representadas pela Associação Portuguesa de Casinos apresentaram um total de vendas de 2,2 mil milhões de euros em fichas, devolvendo mais de 80% em prémios aos jogadores.

Ler mais
Relacionadas

Portugueses gastaram 8,5 milhões por dia em raspadinhas, euromilhões e outros jogos

Este montante que ascende aos três mil milhões de euros representam um crescimento de 2,3% face ao ano anterior.

Raspadinha e Euromilhões impedem casinos de crescer como antes da crise

No ano passado, as receitas dos casinos portugueses foram de 318,8 milhões de euros.
Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

Sociedade do Luxemburgo quer comprar até 450 milhões de euros de dívida da dona do Minipreço

A sociedade do Luxemburgo é a DEA Finance, que é detida pela LetterOne. A mesma LetterOne que é a principal acionista da dona do Minipreço, com 69,76% do capital.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.
Comentários