Lucros do BNU em Macau sobem para 83 milhões de euros em 2019

Em relação a igual período de 2018, os lucros do Banco Nacional Ultramarino, do grupo Caixa Geral de Depósitos, subiram cerca de 23%.

O Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Macau registou em 2019 lucros de 721,9 milhões de patacas (cerca de 83 milhões de euros), de acordo com o balancete publicado no Boletim Oficial.

Em relação a igual período de 2018, os lucros do BNU, do grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD), subiram cerca de 23%.

De acordo com o documento de 31 de dezembro passado, o BNU indicou proveitos de 1,679 mil milhões de patacas (cerca de 194 milhões de euros) e custos de 958 milhões de patacas (cerca de 111 milhões de euros).

No final do mês de janeiro, a CGD indicou que o BNU de Macau contribuiu com 69 milhões de euros para o resultado líquido de 776 milhões de euros, em 2019.

No primeiro semestre do ano passado, o BNU obteve lucros de 366,8 milhões de patacas (cerca de 42,2 milhões de euros).

Em 2018, o BNU tinha registado uma descida de 17% nos lucros, para 585 milhões de patacas (67,3 milhões de euros).

O BNU é, juntamente com o Banco da China, banco emissor de moeda em Macau, e conta atualmente com 20 agências, incluindo uma na ilha da Montanha, em Zhuhai, cidade chinesa adjacente ao território.

Ler mais
Recomendadas

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.
Comentários