Luigi Gubitosi será o novo CEO da Telecom Itália

A Telecom Italia SpA deverá nomear o ex-banqueiro da Merrill Lynch, Luigi Gubitosi como o novo diretor executivo depois da demissão de Amos Genish, durante esta semana.

Luigi Gubitosi é o escolhido para ocupar o cargo de CEO da Telecom Itália, após a demissão de Amos Genish, na última semana. Apesar de ainda não ser oficial, o ex-banqueiro da Merrill Lynch é quem se encontra mais bem posicionado, de acordo com informações relevadas este domingo por fontes próximas do processo à “Bloomberg”.

Os 10 diretores da Telecom Itália SpA, apoiados pela Elliott Management Corp, concordaram com o nome de Luigi Gubitosi durante uma vídeoconferência realizada no último sábado, referiram as mesmas fontes, que pediram para não ser identificadas, já que as discussões são confidenciais. Gubitosi precisa do apoio de pelo menos oito dos 15 diretores para conseguir o cargo no antigo monopólio das telecomunicações.

Este domingo a direção irá reunir-se para uma votação final e Gubitosi leva uma vantagem sobre o ex-gerente da Fiat Chrysler Automobiles NV, Alfredo Altavilla, como o favorito para liderar a maior empresa de telecomunicações da Itália. O conselho da Telecom Itáli pretende recuperar a estabilidade da empresa, uma vez que os aliados de Elliott derrubaram Amos Genish como CEO na última terça-feira.

Luigi Gubitosi irá ao que tudo indica liderar de uma empresa com uma dívida líquida de 25 mil milhões de euros e pesadas responsabilidades com pensões. A operadora não paga dividendos sobre as suas ações ordinárias desde 2013 e também enfrenta nova concorrência no seu mercado nacional, com a entrada da operadora de telefónica móvel Iliad SA este ano.

 

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários