Luís Montenegro: “Oferecer lugares em troca de apoios? Não convidei ninguém mas não tenho a certeza se Rui Rio não o fez”

Em declarações aos jornalistas na sede da candidatura, em Lisboa, a quatro dias da segunda volta das diretas, Montenegro acusou Rio de, no passado sábado, ter insinuado que a sua candidatura andaria a oferecer lugares em troca de votos.

Tiago Petinga/Lusa

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro negou hoje andar a “oferecer lugares em troca de apoios”, mas disse não ter certezas de que “o dr. Rui Rio e os seus apoiantes” não o façam.

Em declarações aos jornalistas na sede da candidatura, em Lisboa, a quatro dias da segunda volta das diretas, Montenegro acusou Rio de, no passado sábado, ter insinuado que a sua candidatura andaria a oferecer lugares em troca de votos.

“Eu quero dizer aqui solenemente uma coisa: eu não convidei ninguém, eu não ofereci lugares a ninguém, mas não estou certo que o dr. Rui Rio e os seus apoiantes não andem a fazer isso um bocadinho por todo o país”, afirmou, dizendo ter relatos de pessoas que lhe falam de “algumas abordagens” nesse sentido, sem concretizar mais.

Na madrugada de domingo, Rui Rio afirmou que todos os votos em si foram por “convicção”, assegurando que não negociou nem vai negociar lugares.

“Não gosto de ver pessoas a lançarem suspeitas, insinuações para os outros, se calhar para esconder aquilo que fazem. Quero apenas dizer que eu não abordei ninguém nem ninguém da minha candidatura abordou ninguém com vista a trocar apoio por lugares, conforme foi insinuado pelo dr. Rui Rio no passado sábado”, reagiu hoje Montenegro.

No entanto, reiterou, “parece que há pessoas que, com ou sem conhecimento do dr Rui Rio, andam a falei de eleições autárquicas, de listas para o futuro”.

“Eu não o farei, absolutamente”, afirmou.

Ler mais
Recomendadas

OE2020: ‘coligação negativa’ para descer IVA da eletricidade ganha força e faz tremer Governo

O PSD e PCP estão disponíveis para negociar com o BE. Dizem que um eventual apoio a propostas semelhantes de outros partidos não deve ser “diabolizado” e não seria “nenhuma coligação circunstancial ou negativa”. O BE diz que não desiste da redução do IVA da eletricidade para a taxa mínima, mas deixa em aberto uma eventual negociação com o PSD e PCP. PS garante estar empenhado contra “coligações negativas”.

Iniciativa Liberal responde a “taxa Netflix” do Bloco com fim de todas as taxas de televisão

Proposta de alteração à proposta do Orçamento do Estado para 2020 também defende fim da contribuição audiovisual, que seria a consequência da privatização da RTP. E que na cultura “se deve incentivar a procura, ao invés de se dar subsídios à oferta, muitas vezes de forma pouco transparente”.

Elisa Ferreira: “Europa tem de começar a pensar seriamente em reforçar o orçamento com recursos próprios”

A comissária europeia para a Coesão e Reformas lamentou a proposta da Finlândia de alocar 1,07% do rendimento nacional bruto dos Estados-membros ao orçamento comunitário e admite que seria preciso ter ido “mais longe” mesmo na sugestão da Comissão, que é de 1,11%.
Comentários