Lula ainda pode ser candidato a presidente? Sim, dizem especialistas em Direito

Vários especialistas em direito constitucional e eleitoral, contactados pela consultora Original 123, consideram que Lula da Silva pode ainda vir a candidatar-se às eleições de outubro, nas quais é apontado como favorito.

O pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente do Brasil, Luiz Lula da Silva, foi rejeitado esta quarta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, vários especialistas em direito constitucional e eleitoral, contactados pela consultora Original 123, consideram que Lula da Silva pode ainda vir a candidatar-se às eleições de outubro, nas quais é apontado como favorito.

Fillipe Lambalot, especialista em Direito Constitucional e Eleitoral e sócio do escritório Leite, Tosto e Barros, afirma que à luz da lei Lula da Silva “poderá candidatar-se e participar nos atos de campanha até à decisão final quanto ao seu pedido de registo de candidatura, em que será apurada a sua elegibilidade”. O especialista lembra que a aplicação do impedimento disposto na Lei ‘Ficha Limpa’ não é automática e prescinde de julgamento pela Justiça Eleitoral.

Além disso, Fillipe Lambalot indica que, mesmo que entretanto Lula da Silva seja obrigado a cumprir pena, poderá ser candidato. “O ordenamento jurídico permite que, ainda que preso, sem uma condenação definitiva, ou seja, sem o trânsito em julgado da sua condenação, o cidadão mantenha os direitos políticos, permitindo a candidatura”, explica.

Também Tony Chalita, sócio do escritório Braga Nascimento e Zilio Advogados e especialista em Direito Político e Eleitoral, sublinha que o antigo líder do Partido Trabalhista (PT) ainda não está com os direitos políticos suspensos e, por isso, Lula da Silva “pode continuar a fazer campanha até que exista de facto uma decisão definitiva do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), mesmo na cadeia”.

A maioria dos 11 juízes do STF do Brasil negaram o recurso contra a prisão de Lula da Silva, condenado em duas instâncias judiciais e que pretendia ficar em liberdade até à decisão final. O pedido habeas corpus foi apresentado como recurso da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que o condenou a 12 anos e um mês, pela prática de crimes de corrupção passiva.

Lula da Silva acompanhou o julgamento no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), ao lado de vários apoiantes. Segundo a imprensa brasileira, o ex-presidente estava otimista quanto a um desfecho favorável do STF. Com esta decisão, a candidatura de Lula da Silva a presidente pode vir a ser inviabilizada.

O ex-presidente lidera as sondagens com 31% das intenções de voto e fica oito pontos acima do candidato próximo da extrema-direita, Jair Bolsonaro. Marina Silva, do partido Rede Sustentabilidade é a terceira favorita, com 15%. Seguem-se Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira, com 12% e Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista, com 11%.

Ler mais
Relacionadas

Partido de Lula da Silva: “Hoje é um dia trágico para a democracia”

Para o Partido dos Trabalhadores, a Constituição “foi rasgada por quem deveria defendê-la e a maioria do Supremo Tribunal Federal sancionou mais uma violência contra o maior líder popular do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

Mesmo sem habeas corpus, prisão de Lula ainda não tem data marcada

É preciso que o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba e responsável pela condenação na primeira instância, emita um mandado de prisão.

Supremo Tribunal Federal do Brasil nega recurso contra prisão de Lula da Silva

A defesa de Lula da Silva tinha apresentado uma garantia que permite aguardar julgamento em liberdade junto do tribunal, que foi recusada pela maioria dos 11 juízes.

Horas decisivas para Lula da Silva: Justiça decide pedido de ‘habeas corpus’ esta quarta-feira

A decisão vai ditar o destino do antigo chefe de Estado, que pode vir a ser impossibilitado de se candidatar às eleições presidenciais de outubro, nas quais é apontado como favorito.
Recomendadas

Biden: Presidente dos EUA assina regresso ao Acordo de Paris

Os Estados Unidos deixaram, em 04 de novembro, formalmente o Acordo de Paris, um pacto global firmado há cinco anos com o objetivo de travar a ameaça de uma mudança climática catastrófica.

Nova porta-voz da Casa Branca com tom diferente da era Trump, expressa respeito pela imprensa

“Haverá momentos em que discordaremos, e certamente haverá dias em que discordaremos em grande parte das conferências de imprensa”, acrescentou, frisando que tanto a nova administração como os jornalistas têm um objetivo comum: “partilhar informações precisas com o povo americano”

Crise no comércio e restauração de portugueses em Macau agrava-se sem mercado de Hong Kong

“Ficámos assim reduzidos aos clientes e bons amigos de Macau e, também, aos que nos vão chegando, a conta-gotas, do continente”, do interior da China, explicou a proprietária do Cool-Thingz & PortugueseSpot, agora que se assinala um ano desde que o território registou o primeiro caso de covid-19.
Comentários