Lula da Silva diz que resistiu à “safadeza” do “lado podre” da Justiça brasileira

“Todo o dia vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir à safadeza que o lado podre do Estado brasileiro fez comigo e com a sociedade brasileira. O lado podre da justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal, da Receita Federal, para tentar criminalizar a esquerda, o PT [Partido dos Trabalhadores], o Lula”, declarou Luiz Inácio Lula da Silva.

Ueslei Marcelino/Reuters

O ex-Presidente do Brasil Lula da Silva disse hoje que resistiu, durante 580 dias de prisão, à “safadeza” que, disse, o “lado podre” do Ministério Público, da Polícia e da Receita Federal fizeram para “criminalizar a esquerda brasileira”.

“Todo o dia vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir à safadeza que o lado podre do Estado brasileiro fez comigo e com a sociedade brasileira. O lado podre da justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal, da Receita Federal, para tentar criminalizar a esquerda, o PT [Partido dos Trabalhadores], o Lula”, declarou Luiz Inácio Lula da Silva.

O antigo Presidente, nas suas primeiras declarações à saída da sede da Polícia Federal de Curitiba, dirigia-se aos militantes do PT que, durante a sua prisão, mantiveram uma vigília no exterior do edifício.

Lula da Silva saiu hoje em liberdade, cerca das 17:40 locais (20:40 em Lisboa), após o Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) ter decidido anular prisões em segunda instância, como era o caso do antigo chefe de Estado, preso desde abril de 2018.

A decisão de libertar Lula da Silva foi tomada hoje pelo juiz Danilo Pereira, da 12.ª Vara Criminal Federal de Curitiba, que aceitou o pedido da defesa do antigo Presidente do Brasil e autorizou a sua saída da sede da Polícia Federal de Curitiba, onde esteve preso durante um ano e sete meses.

Relacionadas

Juiz ordena libertação de Lula da Silva

O juiz em causa será Danilo Pereira Júnior, da 12.ª Vara Criminal Federal de Curitiba , que terá aceite nesta sexta-feira, de acordo com o site G1, o pedido da defesa do ex-Presidente Lula da Silva, autorizando o ex-presidente do Brasil a deixar a prisão.

Moro diz respeitar proibição da prisão após segunda instância no Brasil

“Sempre defendi a execução da condenação criminal em segunda instância e continuarei defendendo. A decisão da maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) para aguardar o trânsito em julgado deve ser respeitada”, disse Sérgio Moro, em comunicado.

Lava Jato diz que decisão do Supremo brasileiro vai contra “o combate à corrupção”

O grupo de trabalho da Operação Lava Jato de Curitiba afirmou na quinta-feira que a decisão do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) de anular prisões em segunda instância “está em dissonância com o combate à corrupção”.
Recomendadas

Luanda Leaks: Presidente da República diz que poder judicial é que tem o dever de validar matérias probatórias

O chefe de Estado disse que o “poder judicial é que tem, em cada momento, de formular o juízo sobre essas matérias, que são matérias probatórias e a relevância ou validade dessas matérias probatórias”.

Galpgate: Gestores da Galp vão a julgamento mas há arquivamento para políticos

Enquanto os gestores da Galp ainda podem ir a julgamento pelas ofertas de bilhetes e viagens ao Euro 2016, os políticos que auferiram dos mesmos vão ser o processo arquivado mediante o pagamento de uma multa, entre 650 euros e 4.800 euros, avança o Observador.

‘Luanda Leaks’: Isabel dos Santos vai processar consórcio de jornalistas

Os mais de 715 mil documentos que sustentam as várias reportagens a cargo de 120 jornalistas de 36 meios de comunicação social em 20 países, “foram obtidos criminosamente através de ‘hacking’ para criar uma falsa narrativa”, alega a empresária.
Comentários