Luta dos professores segue “nos tribunais” e em greve às avaliações, promete Mário Nogueira

O líder da Fenprof anunciou que as organizações sindicais de professores vão contestar o diploma aprovado pelo Governo em Conselho de Ministros na quinta-feira “nos tribunais, junto da Assembleia da República e do senhor Presidente da República” e com ações de protesto por tempo indeterminado.

O secretário-geral da Fenprof anunciou hoje que a luta pela contagem do tempo dos professores vai prosseguir uma “via jurídica”, além de greves às reuniões, incluindo avaliações, e uma queixa à Organização Internacional do Trabalho, entre outros protestos.

Os anúncios foram feitos por Mário Nogueira frente ao Ministério das Finanças, em Lisboa, no final de uma manifestação nacional de professores, em que participaram cerca de 20 mil docentes, de acordo com números fornecidos pela PSP à Lusa.

O líder da Fenprof anunciou que as organizações sindicais de professores vão contestar o diploma aprovado pelo Governo em Conselho de Ministros na quinta-feira “nos tribunais, junto da Assembleia da República e do senhor Presidente da República” e com ações de protesto por tempo indeterminado.

Mário Nogueira anunciou que as organizações decidiram “recorrer à via jurídica, quer em representação coletiva e abstrata dos docentes, quer apoiando os que decidirem avançar a título individual”, em tribunais nacionais, admitindo a hipótese de recorrem a instâncias europeias.

As organizações vão também “apresentar queixa contra o Governo português junto da OIT [Organização Internacional do Trabalho], da Internacional da Educação e da UNESCO por desrespeito por direitos laborais e profissionais dos docentes, incumprimento de compromisso e violação da lei da negociação e da lei do Orçamento do Estado de 2018”.

Mário Nogueira anunciou ainda uma concentração nacional de professores e educadores frente à Assembleia da República, “para o dia em que o ministro da Educação ali se deslocar para debater o Orçamento do Estado para 2019 na especialidade, se não adoecer na véspera”.

Mário Nogueira disse que, a partir de 15 de outubro, os professores vão cumprir o horário a que estão obrigados escrupulosamente, o que implica “iniciar uma greve nacional às reuniões para as quais os professores forem convocados”, como “reuniões de avaliação intercalar dos alunos, caso a atividade letiva não seja interrompida para esse efeito”, bem como reuniões de conselho pedagógico, conselho de departamento ou conselho de docentes.

Ler mais
Recomendadas

“Conversas com Norte”. “As medidas especiais de contratação pública são um erro grave”, revela especialista (com áudio)

Ricardo Maia Magalhães, Coordenador do Curso de Especialização em Contratação Pública do ISCTE Executive Education, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, aponta as várias falhas que encontrou no decreto sobre contratação pública, aprovado no parlamento e promulgado, de seguida, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Reforma militar em debate hoje na AR sob fogo de ex-chefes militares e ex-Presidentes

Esta reforma – uma das mais polémicas desde a chamada “Lei dos Coronéis”, na década de 1990, que impunha a reforma antecipada a dezenas de oficiais – está a ser contestada por ex-chefes de Estado Maior dos três ramos, 28 dos quais, incluindo Ramalho Eanes, antigo Presidente e ex-chefe do Exército, que assinaram uma carta a criticá-la e a pedir um debate alargado à sociedade civil.

Bloco de Esquerda propõe criminalização de terapias de reconversão sexual

O projeto do BE sugere que os autores da intervenção fiquem proibidos de exercer profissão, emprego, funções ou atividades, públicas ou privadas, durante um período que poderá durar até 20 anos.
Comentários