PremiumMackenzie Bezos: Do apoio incondicional ao divórcio de milhões

Acreditou no projeto da Amazon e ajudou Jeff, seu marido, a erguer uma das empresas mais valiosas do mundo. Após 25 anos de casamento, o negócio mantém-se,mas a relação acabou. De forma amigável e milionária: ficará com 25% das ações do casal e torna-se a terceira mulher mais rica do mundo.

As redes sociais têm sido o meio privilegiado  para um dos casais mais mediáticos do planeta falar sobre casamento, separação, famíia e negócios. Num tweet publicado na semana passada, MacKenzie Bezos anunciou que, nos termos do divórcio amigável definidos com Jeff Bezos, ficará com 25% das ações do casal– o que lhe deverá atribuir uma posição de 4% na retalhista online que ajudou o marido a fundar. Antes do acordo, o casal Bezos detinha 16,3% das acções da empresa, fatia avaliada em 143 mil milhões de dólares (127 mil milhões de euros), o que fazia deles o casal mais rico de sempre.

Jeff Bezos manterá o controlo dos direitos de voto sobre todas as ações de MacKenzie e manterá as suas participações acionistas no diário “The Washington Post” e na Blue Origin, que é a empresa espacial do multimilionário norte-americano.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Francisco Guerreiro: A vida do primeiro eurodeputado do PAN em Bruxelas

Em 2014 candidatou-se às eleições europeias pela primeira vez. Cinco anos depois, torna-se o primeiro eurodeputado eleito pelo PAN. Conheça o percurso de quem quer ver a Europa muito mais atenta ao clima e aos direitos dos animais.

Ken Hughes: “A IA não é o futuro, mas sim o presente silencioso”

Ken Hughes, um dos maiores especialistas mundiais em novas tendências de consumo, veio esta semana ao congresso da Associação Portuguesa de Centros Comerciais. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, levanta o véu sobre um futuro tão aterrorizador quanto fascinante, com a inteligência artificial a mandar nas compras de casa. O amanhã já cá anda, meio escondido.

Edmund Phelps: “Durmo melhor à noite por saber que é a Fed a decidir a taxa de juro”

Nobel da Economia de 2006 elogia o banco centralnorte-americano por não ceder a pressões do poder políticoe diz que nunca assistiu a tanta incerteza na Europa como atualmente.
Comentários