PremiumMackenzie Bezos: Do apoio incondicional ao divórcio de milhões

Acreditou no projeto da Amazon e ajudou Jeff, seu marido, a erguer uma das empresas mais valiosas do mundo. Após 25 anos de casamento, o negócio mantém-se,mas a relação acabou. De forma amigável e milionária: ficará com 25% das ações do casal e torna-se a terceira mulher mais rica do mundo.

As redes sociais têm sido o meio privilegiado  para um dos casais mais mediáticos do planeta falar sobre casamento, separação, famíia e negócios. Num tweet publicado na semana passada, MacKenzie Bezos anunciou que, nos termos do divórcio amigável definidos com Jeff Bezos, ficará com 25% das ações do casal– o que lhe deverá atribuir uma posição de 4% na retalhista online que ajudou o marido a fundar. Antes do acordo, o casal Bezos detinha 16,3% das acções da empresa, fatia avaliada em 143 mil milhões de dólares (127 mil milhões de euros), o que fazia deles o casal mais rico de sempre.

Jeff Bezos manterá o controlo dos direitos de voto sobre todas as ações de MacKenzie e manterá as suas participações acionistas no diário “The Washington Post” e na Blue Origin, que é a empresa espacial do multimilionário norte-americano.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Moçambique: Depois da tempestade há que cuidar dos vivos

Devastação provocada pelo ciclone Idai no país lusófono está a mobilizar uma onda de solidariedade que se estende a empresas, autarquias e clubes de futebol. No terreno, a ajuda humanitária inclina-se para uma nova fase: a da reconstrução de infraestruturas e da assistência médica às vítimas.O Governo de Portugal quer estar na linha da frente e promete ajuda“sem prazo” ao povo moçambicano.

Olivier: “Quero o mundo inteiro para mim, e mesmo assim não chega”

O chef português abriu um restaurante em Banguecoque para consolidar a internacionalização da marca SEEN, em parceria como grupo hoteleiro Minor. Mas não esquece o país em que nasceu e prepara a expansão nacional dos restaurantes que tem em Lisboa. Apesar de ter feito 20 anos de carreira profissional em 2018, Olivier da Costa está “na cozinha há 40 anos”.

Jordan Peele: Humorista ganha milhões à custa do horror negro

Misturar terror e identidade racial é a receita do sucesso de um dos raros cineastas negros nomeados para o Óscar de Melhor Realizador. Depois de questionar os brancosmuito liberais que veneram Barack Obama em “Foge”, acaba de bater recordes de bilheteira nos Estados Unidos com uma família perseguida por sósias em “Nós”.
Comentários