Madeira: CDU quer combater clientelismo e erradicar uso corrupto de dinheiros públicos

O partido diz que foram utilizados dinheiros públicos para alimentar redes clientelares do regime, acrescentando que o fracasso de vários projetos serviu apenas para “promover o favorecimento” dos amigalhaços do regime.

A CDU comprometeu-se a combater o clientelismo e a erradicar o uso corrupto de dinheiros públicos. O partido referiu que em certos projetos não foi feita a salvaguarda do interesse público, tendo-se esbanjado dinheiro para alimentar as redes clientelares do regime.

“A falência técnica da “Sociedade Polo Científico e Tecnológico – Madeira Tecnopolo, SA”, o fracasso do programa “Inteligência Conectiva”, a insolvência da DTIM (Associação para o Desenvolvimento das Tecnologias da Informação da Madeira), correspondem às maiores falências da Autonomia. Aqueles projetos, que foram apontados pelos governantes como viabilizadores do desenvolvimento económico, científico e tecnológico da Região, não só correspondem a erradas opções do desenvolvimento regional, como se confundem com a falência do modelo de desenvolvimento incrementado pelo regime”, afirmou Edgar Silva, candidato da CDU Madeira às eleições regionais, durante uma acção de campanha eleitoral no Madeira Tecnopolo.

Edgar Silva sublinhou que foram esbanjadas dinheiros públicos para alimentar redes clientelares do regime, e que o fracasso desses projetos serviu apenas para “promover o favorecimento” dos amigalhaços do regime.

“Os governantes que são responsáveis pelo fracasso dos projetos em causa usaram corruptivamente os dinheiros públicos”, reforçou.

Edgar Silva disse ainda que nesses projetos não foi feita a salvaguarda do interesse público, e que o fracasso dos mesmos projetos justifica uma mudança de rumo para a autonomia.

Recomendadas

Madeira tem de encontrar novas experiências e segmentos no turismo

Durante a conferência da APAVT o consultor da EY, Augusto Mateus, defendeu que a madeira é “muito competente” em determinado tipo de turismo, mas que “isso não é suficiente” para a missão da Madeira.

Força de trabalho na Madeira com mais pessoas e melhor remunerados

O salário médio na Madeira atingiu mil euros e 78 cêntimos, mais 1,4%, face ao período homólogo, sendo que as empresas com maior dimensão foram as que melhor pagavam. 81% estavam afetos ao sector terciário.

JPP quer redução de impostos para desenvolvimento da economia e empregabilidade

O partido apelou a que o executivo madeirense seja menos despesista e por essa via alivie as empresas e famílias de modo a que se gere mais poupança, se dinamize a economia e se crie emprego.
Comentários