Madeira: Governo Regional investe 1,5 milhões de euros na ampliação do Serviço de Urgência

O objetivo é procurar responder às necessidades urgentes do Serviço Regional de Saúde (SESARAM), no âmbito das medidas excecionais implementadas para responder à pandemia da Covid-19.

O Governo Regional da Madeira está a realizar uma empreitada, no valor de 1,5 milhões de euros a que acresce o IVA, para a ampliação do Serviço de Urgência do Hospital Dr. Nélio Mendonça. A obra teve início em abril e deverá estar concluída em agosto.

A empreitada prevê 14 camas adicionais ao Serviço de Urgência e uma sala de enfermagem, com o objetivo de procurar responder às necessidades urgentes do Serviço Regional de Saúde (SESARAM), no âmbito das medidas excecionais implementadas para responder à pandemia da Covid-19.

Isto traz uma melhoria não só na capacidade de camas, mas vem numa altura muito particular e muito importante, em que estamos a atravessar uma pandemia. Houve também obras noutras zonas do Hospital Dr. Nélio Mendonça que têm permitido assegurar uma resposta de grande dimensão, próximo dos 100 doentes, caso seja necessário, se tivermos doentes Covid numa provável segunda vaga”, explica o Secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos.

O governante realça que esta ampliação já vai estar em funcionamento em setembro, altura em que começa o Plano de Contingência da Gripe, que este ano vai ter caraterísticas especiais e que vai trazer novos desafios aos profissionais de saúde.

Recomendadas

Conheça as regras para viajar com menores

Se os pais do menor estiverem divorciados ou separados judicialmente, a autorização para a saída do país tem de ser prestada pelo progenitor a quem o menor foi confiado e/ou com quem reside.

BPI patrocina 61.ª edição do Rali Vinho da Madeira

O RVM 2020 conta com o Troféu BPI que atribui um prémio monetário aos três pilotos mais rápidos inscritos neste troféu.

Covid-19: Governo dos Açores diz que quadro legal “precisa de ser aperfeiçoado”

O presidente dos Açores reagia a uma decisão do Tribunal Constitucional (TC) que decidiu que as autoridades açorianas violaram a constituição ao impor a quem chegasse à região uma quarentena obrigatória de 14 dias por causa da pandemia de covid-19.
Comentários