Madeira: Juventude Socialista apresenta moção “Madeira 2030: Uma nova geração de Polític@s”

Sara Cerdas assina o texto relativo às políticas europeias, Olavo Câmara as políticas nacionais e Marina Barbosa as políticas regionais.

Na passada quinta-feira, na sede do PS Madeira, foi apresentada a moção sectorial “Madeira 2030: Uma Nova Geração de Polític@s”, que reúne contributos de mais de trinta jovens socialistas e que vai ser apresentada no Congresso do PS Madeira, que se realiza no próximo sábado e domingo, no Madeira Tecnopolo.

A moção, coordenada por João Pedro Vieira, Vereador da Câmara Municipal do Funchal, contou, entre mais de trinta dezenas de contributos, com a colaboração de Olavo Câmara, Presidente da JS Madeira e Deputado à Assembleia da República, Marina Barbosa, Deputada à Assembleia Legislativa Regional, e Sara Cerdas, Deputada ao Parlamento Europeu e aborda 30 áreas prioritárias de acção política para a próxima década.

Entre os temas está a autonomia, juventude, ambiente, sustentabilidade, educação, ensino superior, ciência e investigação, inovação e tecnologia, habitação, saúde, mobilidade, coesão, emprego, economia, turismo, fiscalidade, empreendedorismo, energia, agricultura e pecuária, desporto, cultura e criatividade, igualdade e inclusão, participação e cidadania, desenvolvimento, modernização e descentralização administrativa e municipalismo.

Sara Cerdas assina o texto relativo às políticas europeias, Olavo Câmara as políticas nacionais e Marina Barbosa as políticas regionais.

Na apresentação, que decorreu na véspera da apresentação do Plano de Desenvolvimento Económico e Social da RAM 2030, que vai ser divulgado pelo Vice-Presidente do Governo Regional, Pedro Calado, João Pedro Vieira recordou a “importância deste tipo de contributos, que esperamos ver reflectidos não só nos documentos estratégicos do Partido, como também nos documentos que definem as políticas regionais para a próxima década”.

João Pedro Vieira refere que “a Região necessita de uma nova década de desenvolvimento, cujo impulso será dado por uma nova geração de políticos e de políticas. A ‘geração mais qualificada de sempre’ recusa-se a ficar escondida atrás das bandeiras que enverga nas campanhas e pretende continuar a ocupar um papel determinante no futuro do PS e da Região”.

O coordenador da moção assinala ainda o contexto em que surge o documento: “a segunda crise económica e social que esta geração vive, fá-la reconhecer ainda melhor as dificuldades que enfrentará e que serão obrigatoriamente combatidas em quatro planos políticos distintos: o local, o regional, o nacional e o europeu. Em todos eles, necessitamos de políticas comuns que nos permitam, em colaboração, encontrarmos as melhores soluções para as adversidades do presente e os desafios do futuro”.

Para além disso, são identificados contributos para os onze concelhos da Região. João Pedro Vieira recorda que o ciclo político que agora se abre terá como primeira meta determinante as eleições autárquicas do próximo ano. “É nesse quadro político que recolhemos também as ideias de jovens que vivem, estudam e trabalham na sua terra, alguns deles independentes e igualmente disponíveis para contribuírem para a construção de uma realidade local ainda melhor”.

O documento vai ser discutido amanhã à tarde no Congresso dos Socialistas.

Ler mais
Recomendadas

Madeira: CDS preocupado com redução do Fundo das Pensões no OE2021

António Lopes da Fonseca frisou que estavam previstos 32 mil milhões de euros para este Fundo em 2040. “Com esta retirada de quase 16 mil  milhões de euros, estima-se que, nessa data, existam apenas 16 mil milhões, cerca de metade”, frisou, destacando que muitas pessoas daqui a 20 anos poderão nem ter as suas reformas.

Governo da Madeira adjudicou empréstimo de 458 milhões de euros sem aval do Estado

A Região Autónoma da Madeira foi autorizada em sede de Orçamento Suplementar do Estado a contrair um empréstimo até 10% do PIB regional de 2018 – 495 milhões de euros – para fazer face à crise provocada pela pandemia.

Securitas vai despedir 82 trabalhadores dos aeroportos de Lisboa e da Madeira

A Securitas-Transport Aviation Security informou os trabalhadores em causa da “intenção de proceder ao despedimento coletivo” e justificou o processo com a “necessidade objetiva da redução de pessoal por motivos de mercado e estruturais”.
Comentários