Madeira lança campanha de prevenção contra incêndios

A campanha tem como tema “Uma floresta segura, depende de todos nós”, e decorre entre 1 de junho e 31 de outubro.

A Madeira lançou uma campanha de prevenção contra incêndios, sob o tema “Uma floresta segura, depende de todos nós!”, que vai decorrer entre 1 de junho e 31 de outubro. A secretária regional do Ambiente e Recursos Naturais, Susana Prada, apelou à população para cumprir orientações para evitar fogos florestais e preservar a natureza da região. O objetivo da campanha passa ainda por sensibilizar e educar para a prevenção a incêndios.

“Não atirem cigarros para a floresta; não realizem queimadas até 31 de outubro, porque não estão autorizadas; não façam fogueiras; não façam churrascos fora dos locais próprios e apaguem completamente as brasas; não deitem lixo na floresta, porque acumula combustível e as garrafas de vidro podem provocar incêndios; e não utilizem máquinas que possam provocar faísca durante os períodos secos e quentes”, foram algumas das indicações deixadas pela governante na apresentação desta campanha de prevenção a incêndios.

De referir que o executivo madeirense aprovou, em conselho de governo, a 9 de maio, o Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais (POCIF) 2019.

O plano vai estar em vigor entre 15 de junho e 15 de outubro de 2019, com um dispositivo de intervenção permanente, podendo vir a ser reforçado. O prazo pode ser prolongado ou antecipado caso se justifique.

O plano operacional contará, pelo segundo ano consecutivo, com a utilização do meio aéreo, designadamente um helicóptero de ataque inicial e a respetiva equipa.

Recomendadas

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.

Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

JPP quer trabalhadores da economia informal incluídos nos apoios do Fundo de Emergência Social

O partido diz que no casos dos trabalhadores que não se encontravam enquadrados nos sistema de Segurança Social, estes foram “duplamente penalizados” porque não têm forma de provar perda de rendimentos devido à pandemia, pelo que não elegíeis para vários tipos de apoios, entre os quais o Fundo de Emergência Social.
Comentários