Madeira passa a pedir teste rápido antigénio para entrar na Região a partir de 1 de julho

O governante realçou ainda que mantém-se o corredor verde para vacinados, testados e recuperados até 180 dias.

A partir de 1 de julho a Região Autónoma da Madeira vai passar a pedir apenas um teste rápido antigénio realizado até 48h antes.

“Não serão aceites auto-testes em nenhuma circustância”, disse o Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, esta segunda-feira.

Até agora os passageiros precisavam de realizar um teste PCR à chegada.

O governante realçou ainda que mantém-se o corredor verde para vacinados, testados e recuperados até 180 dias.

Miguel Albuquerque falava numa conferência de imprensa organizada pelo Executivo madeirense que dava conta do alívio de medidas de contenção da pandemia da Covid-19.

O chefe do Executivo regional referiu também que a variante Delta (indiana) ainda não foi detetada na Região Autónoma da Madeira.

Recomendadas

Funchal: Coligação Confiança pretende novas centralidades nas zonas altas e mercado imobiliário acessível a toda a população

A candidatura propõe promover um diagnóstico focado no território sobranceiro à cidade baixa, com o objetivo de implementar intervenções urbanas cirúrgicas, direcionadas ao transporte, saúde, espaço público, educação e cultura, permitindo reavivar, reafirmar e estabelecer outras centralidades, integrando-as numa estrutura de conjunto.

Madeira: Bloco de Esquerda apenas concorre ao concelho do Funchal inserido na Coligação Confiança nas eleições autárquicas

Dina Letra destacou que apesar do “curtíssimo espaço de tempo que tivemos para concluir todo um processo que leva meses de preparação e em que nada estava feito, a Comissão Política Regional, eleita há dois meses, envidou todos os esforços para tentar cumprir este objetivo”.

Madeira: PAN compreende decisão de abater árvores no Largo da Fonte face à “ansiedade vivida” pelos habitantes

O partido considerou que em paralelo com o abate de árvores no Largo da Fonte, “devem ser plantadas novas árvores que devolvam a envolvente ao largo, mas já sem problemas de segurança”.
Comentários