Madeira: produção de energia elétrica aumenta 2,4%, eólica dispara 39,2%

No primeiro trimestre a Madeira teve uma produção de energia elétrica de 208,9 GWh.

Denis Balibouse/Reuters

A produção de energia elétrica na Madeira registou um aumento de 2,4% no primeiro trimestre. Destaque para a subida assinalável da produção eólica com 39,2% e a quebra de 40,4% nos resíduos sólidos urbanos. A fonte hídrica teve um crescimento de 9,1% face ao período homólogo, de acordo com a Direção Regional de Estatística (DREM).

No primeiro trimestre a produção de energia elétrica chegou aos 208,9 GWh na Madiera o que representa uma subida de 2,4% face ao período homólogo. A fonte térmica teve uma peso assinalável nesta produção com 122,6 GWh sendo fortemente influenciada pelo diesel (96,1 GWh), dizem os dados da DREM.

A produção hídrica passou de 8,2 para os 16,8 gwh durante o primeiro trimestre na Madeira.

É de assinalar ainda a subida de 39,2% e a quebra de 40,4% a nível da produção eólica e dos resíduos sólidos face os valores registado no período homólogo.  As fontes fotovoltaicas e gás natural também tiveram decréscimo nos valores de produção de energia elétrica.

Recomendadas

Covid-19: identificados mais 10 casos positivos em escolas da Madeira

Na passada quarta-feira foram oito os estabelecimentos de ensino, na Madeira, que foram afetados por casos positivos ou que tiveram que tomar outro tipo de medidas para conter o contágio por covid-19.

Madeira mantém aulas presenciais em vários níveis porque contaminação é “residual”

Em 11 de janeiro, o executivo madeirense, de coligação PSD/CDS-PP, decidiu suspender as aulas presenciais no 3.º ciclo e no ensino secundário em todas as escolas da região autónoma até pelo menos 31 de janeiro, mantendo em funcionamento normal os restantes níveis. “Até à data, foram tomadas medidas profiláticas, neste universo de 27 mil, relativamente a 995 pessoas, o que significa 3,5%”, disse Miguel Albuquerque, sublinhando que os números demonstram que a escola continua a ser o “local mais seguro” para os jovens permanecerem.

Madeira: sindicato acusa Governo de deturpar a realidade sobre carreira dos vigilantes da natureza

O sindicato afirma que “dizer que um vigilante da natureza ganha, no topo da carreira, o mesmo que um professor universitário recém doutorado é só desonestidade intelectual e revelador do sectarismo existente contra a carreira destes trabalhadores”, e acusa o Governo Regional de não querer valorizar a carreira dos vigilantes da natureza.
Comentários