Madrid prepara-se para as eleições regionais mais nacionais de sempre

A candidata do PP deverá manter-se na liderança do município no final de umas eleições que prometem ter fortes repercussões no todo nacional. Aliás, os líderes nacionais convergiram todos para Madrid durante o fim-de-semana.

Madrid, Espanha | Manu Fernandez/AP

Isabel Díaz Ayuso, candidata do PP às eleições regionais desta terça-feira, 4 de maio, deixou claro, desde o dia em que convocou eleições antecipadas, que “o problema de Madrid é Pedro Sánchez”, o socialista que lidera o executivo – colocando assim uma tónica nacional no confronto da capital do país.

Aparentemente, terá feito bem: todas as sondagens lhe dão inevitavelmente a vitória – mas, em princípio, não com maioria absoluta: a popular terá de se valer de uma pré-anunciada aliança com a extrema-direita do Vox para formar um governo estável. Para trás ficou há muito a candidatura socialista, liderada por Ángel Gabilondo, que Sánchez tentou ajudar durante o fim de semana de encerramento da campanha eleitoral: o chefe do governo, que se tinha eclipsado de Madrid, regressou à capital para uma última tentativa de dar força ao seu candidato.

Desta vez, Pedro Sánchez não deu palco à sua adversária: segundo a comunicação social espanhola, o chefe do governo esteve num comício do partido mas, na sua intervenção não citou uma única vez o nome da candidata do PP. Mesmo assim, referiu-se a uma eventual aliança entre o PP e o Voz, que Ayuso havia dias antes afirmado como não sendo “o fim do mundo”. Sánchez respondeu afirmando que “O fim do mundo não será, mas o começo do fim de uma democracia vigorosa”. Os socialistas encerraram a sua campanha em Entrevías, o bairro mais pobre da capital, com o tom dos discursos a advertir contra o perigo “do ódio e da intolerância” da direita.

Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos – que arrisca uma derrota histórica em Madrid – concentrou os seus discursos do fim de semana na necessidade de a esquerda não se abster de ir votar, dando assim mais força a um bloco ideológico que fica sistematicamente fora das vitórias em Madrid.

Pablo Casado, líder do PP, esteve junto de Ayuso durante o fim de semana, depois de uma participação muito discreta na campanha. O líder do PP busca em Madrid um trampolim para o resto da Espanha e deixou isso bem claro: “Da Puerta del Sol ao palácio de La Moncloa”.

Já o movimento Más Madrid ficou no centro da cidade, na Cuesta de Moyano, junto das antigas instalações dos livreiros da cidade, com a sua candidata, Mónica García, a fazer questão de fechar a campanha com um discurso que fugiu dos registos tradicionais e que teve na liberdade a sua força motriz.

A Vox voltou para onde costuma encerrar a campanha e dar uma demonstração de força: reuniu cerca de cinco mil pessoas na Plaza de Colón e o seu líder, Santiago Abascal, reservou a mensagem final, proferida após a intervenção do seu candidato, Rocío Monasterio, contra a esquerda, mas também contra Pablo Casado, a quem chamou “o cata-vento azul” – posição que fez os analistas lançarem-se numa verdadeira corrida à sua interpretação. Grosso modo, esta segue no sentido de dar a entender que Ayuso é a líder popular que o Vox reconhece como a mais fiável e capaz de fazer a ponte com a extrema-direita.

Ler mais
Recomendadas

Partido de Marine Le Pen desviou 6,8 milhões de fundos europeus, avança imprensa francesa

Le Pen está acusada desde há cinco anos por uso fraudulento de recursos públicos na contratação de pessoas que na realidade trabalharam para a União Nacional.

Novos ataques em Gaza aumentam número de mortos para 174

De acordo com os dados avançados pelo Ministério da Saúde palestiniano, citados pela Agência France-Presse (AFP), o confronto entre grupos armados palestinianos e o exército israelita que tem marcado a região nestes últimos dias causaram ferimentos em cerca de 1.200 palestinianos.

“E os civis palestinianos vítimas de ataques israelitas?”. Ana Gomes critica Ursula von der Leyen nas redes sociais

“Não condena quem os mata e os mutila? Você é tendenciosa sobre as vítimas inocentes dos criminosos de ambos os lados?”. A reação da ex-eurodeputada Ana Gomes fez-se notar após a partilha de uma mensagem de Ursula von der Leyen em que condena os ataques do Hamas em Israel.
Comentários