MAI acusa ANA de “violar obrigações de serviço público” no aerporto de Faro

No final da reunião da Estrutura de Monitorização da Situação de Alerta e de Contingência devido á pandemia de covid-19, Eduardo Cabrita foi questionado se o aeroporto de Faro vai ser reforçado com inspetores do SEF após a decisão do Governo britânico de excluir Portugal continental do chamado corredor aéreo.

Cristina Bernardo

O ministro da Administração Interna responsabilizou hoje a ANA – Aeroportos de Portugal pelas filas no aeroporto de Faro, acusando-a de “reiteradamente violar as obrigações de serviço público” e “prejudicar o país”.

No final da reunião da Estrutura de Monitorização da Situação de Alerta e de Contingência devido á pandemia de covid-19, Eduardo Cabrita foi questionado se o aeroporto de Faro vai ser reforçado com inspetores do SEF após a decisão do Governo britânico de excluir Portugal continental do chamado corredor aéreo.

No final de agosto e após Portugal ter sido incluído na lista dos países deste corredor aéreo, milhares de turistas britânicos chegaram ao Algarve, onde se registaram aglomerações de passageiros nas chegadas do aeroporto de Faro.

O ministro afirmou que “a decisão inglesa poderá provocar uma antecipação de regresso de cidadãos britânicos ao seu local de origem para que não fiquem sujeitos a situação de quarentena”.

“O SEF tem pleno recursos de meios, mas temos um problema grave que é a ANA, que tem reiteradamente violado as suas obrigações de serviço público e mantém fechada a sala de verão do aeroporto de Faro. Isto pode determinar a criação de filas que não tem a ver com o SEF, que tem os meios necessários, mas tem a ver com a ANA, que provavelmente por razões económicos considera que estamos no inverno”, disse o ministro.

Eduardo Cabrita sublinhou que os meios do Serviço de Estrangeiro e Fronteira são mais do que suficientes.

Nos aeroportos, os procedimentos de saída dos passageiros são muito mais rápidos do que os das chegadas, que exigem um maior controlo documental.

Na quinta-feira, o Governo britânico decidiu hoje retirar Portugal da lista de países considerados seguros no atual contexto de pandemia de covid-19, com exceção das regiões autónomas da Madeira e Açores, e a partir de sábado voltará a obrigar a uma quarentena de duas semanas quem regresse do território continental português.

Ler mais

Recomendadas

Défices da zona euro voltam a atingir máximos históricos: 11,6%

Portugal, que registou um défice de 9,2% no segundo trimestre, foi o sexto país da zona euro com o maior agravamento do saldo orçamental entre o primeiro e o segundo trimestre.

Portugal regista o terceiro maior rácio de dívida pública face ao PIB da União Europeia

Grécia e Itália são os países europeus que lideram o ranking do peso da dívida face ao PIB.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

A divulgação da Comissão Europeia do indicador de confiança dos consumidores a zona euro vai marcar esta quinta-feira. Nos EUA, Trump e Biden voltam a debater-se, o Eurostat vai publicar estatísticas sobre défices e dividas da zona euro e a Coca-cola vai divulgar os resultados do terceiro trimestre.
Comentários