Mais 398 milhões de euros: é este o custo que teria a recuperação integral do tempo das carreiras especiais, estima UTAO

UTAO estima que no caso da aprovação do tempo integral das carreiras especiais, o saldo estrutural passa de 0,3% para 0,1%, o que coloca “as finanças públicas mais expostas a falhar a regra do Objetivo de Médio Prazo (OMP)”, embora não impeça o seu cumprimento.

O descongelamento integral do tempo das carreiras especiais, incluindo a dos professores, magistrados, oficiais de justiça e militares, teria um impacto adicional de 398 milhões de euros em termos líquidos face ao cenário macroeconómico calculado pelo Governo no Programa de Estabilidade 2019-2023, calcula a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

“A avaliação de impactos efetuada pela UTAO no Anexo 2 deste relatório à extensão para todas as carreiras especiais do princípio de recuperação integral do tempo de serviço prestado para efeitos de progressões remuneratórias prevê uma deterioração de 398 milhões de euros no saldo orçamental e no saldo estrutural em ano de cruzeiro, face ao cenário do PE/2019–23”, refere o relatório de análise enviado pelos técnicos da UTAO à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), a que o Jornal Económico teve acesso.

A UTAO explica que em percentagem do PIB potencial, o saldo estrutural passa de 0,3% para 0,1%, o que coloca “as finanças públicas mais expostas a falhar a regra do Objetivo de Médio Prazo (OMP)”. No entanto, antecipa que apesar desta deterioração “não impedirá o cumprimento das regras orçamentais” relativas ao OMP.

“A recuperação integral do tempo de serviço em todas as carreiras especiais, com o faseamento previsto no desenho da Medida 2, reduz os excedentes estruturais em todos os anos da projeção, embora nenhum fique abaixo do Objetivo de Médio Prazo (OMP) fixado para Portugal no triénio 2020–2022 (e que é 0% do PIB potencial nominal)”, acrescenta.

Fonte: Relatório UTAO, Apreciação do Programa de Estabilidade 2019–2023

Na análise, a UTAO tomou como referência as previsões do Ministério das Finanças relativamente às remunerações brutas dos trabalhadores envolvidos em ano de cruzeiro. “O impacto total estimado na despesa resultante da Medida 2 cresce até 2023, estabilizando neste montante para os anos futuros”, acrescenta. Ou seja, nos 804 milhões de euros, valor em ano cruzeiro. Nos cálculos dos técnicos, os impactos líquidos ascendem a 567 milhões de euros em 2023.

“Os acréscimos permanentes de despesa com pessoal têm efeitos tanto no saldo orçamental como no saldo orçamental estrutural”, destaca.

Relacionadas

Professores: Governo estima impacto de 40 milhões em 2019 e 581 milhões de euros em 2020

Ministério das Finanças estima que custo em 2019 e 2020 da antecipação ontem aprovada pela ‘coligação negativa’ de partidos, “corresponde a um aumento anual de despesa de 240 milhões de euros por ano em ano cruzeiro”.
Recomendadas

Beneficiários de prestações de desemprego sobem 0,4% em agosto

O número de beneficiários de prestações de desemprego caiu em agosto 4,1% face a julho, mas subiu 0,4% quando comparado com o mesmo mês do ano passado, para 231.212, segundo as estatísticas mensais oficiais publicadas hoje.

Trabalhadores em ‘lay-off’ tradicional caem 64,2% em agosto face a julho

O número de trabalhadores em ‘lay-off’ tradicional, o regime previsto no Código do Trabalho, caiu 64,2% em agosto face a julho, para 4.828, revelam as estatísticas mensais da Segurança Social divulgadas hoje.

ADSE recua e volta a comparticipar atos prescritos pelo SNS

A Associação Nacional de Beneficiários da ADSE (Associação 30 de Julho) revelou hoje que a ADSE recuou, perante uma reclamação da entidade, e vai voltar a comparticipar atos prescritos pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).
Comentários