Pode abastecer-se em mais de 81% dos postos de combustível

Às 17h00 deste sábado, dia 17 de agosto, entre os postos de abastecimento no país, existem 469 sem gasolina e 673 sem gasóleo, o que compara com os 473 postos sem gasolina e 676 sem gasóleo por volta das 14h30.

De acordo com a plataforma “Já não dá para abastecer“, às 17h00 havia menos postos sem combustível do que o registado depois da hora de almoço, uma tendência que se tem sentindo desde o início deste sábado.

Neste momento, entre os postos de abastecimento, existem 469 sem gasolina e 673 sem gasóleo, o que compara com os 473 postos sem gasolina e 676 sem gasóleo por volta das 14h30.

Isto significa que, desde as onze da manhã deste sábado, o número de postos sem combustível disponível têm vindo a diminuir gradualmente.

Na plataforma “Já não para abastecer”, dos 3.021 postos (número que cresceu numa unidade), 12,7% dos postos de abastecimento não têm combustível disponível. Este número significa que, neste momento, 75% dos postos de abastecimento em Portugal têm combustível.

Por tipo de combustível, dos 2.544 onde se pode abastecer gasolina em Portugal, 81,5% têm gasolina (2.075 postos no total) e, nos postos de gasóleo, 71% estão em funcionamento (1.677 no total).

De notar ainda a subida dos postos de GPL de 61 para 63.

O site “Já não dá para abastecer”, da VOST Portugal, é uma plataforma de crowdsourcing que agrega dados que são compilados através de informação fornecida pelos utilizadores. A página esclarece que “os dados são meramente indicativos e sofrem alterações constantemente”.

De acordo com o racionamento de combustível imposto pelo Governo, qualquer condutor poderá apenas abastecer até 15 litros nos postos que integram a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA). Nos outros postos de abastecimento que têm combustível disponível, o limite máximo para abastecer sobe para os 25 litros.

Postos de abastecimento sem combustível tÊm diminuído gradualmente

Por volta das 15h00, dos 3.020 postos de abastecimento, em 386 não há qualquer tipo de combustível disponível para abastecer, o que corresponde a 12,8%, menos oito postos do que o registado ao meio-dia e menos 14 do que o registado uma hora antes.

Poucos minutos depois de o meio-dia, haviam 481 postos de abastecimento sem gasolina, 683 sem gasóleo, o que significava que tinha havido uma redução de postos sem combustível em relação às onze da manhã, altura em que 488 postos sem gasolina e 691 sem gasóleo.

(atualizada às 17h00)

Ler mais
Relacionadas

Greve dos combustíveis: António Costa reitera que “o país não vai parar”

A greve dos motoristas de matérias perigosas entra no sexto dia de protesto. Na segunda-feira, dia 12 de agosto, o Governo decretou a requisição civil, uma medida que o primeiro-ministro, António Costa, considerou adequada.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas

Dez horas de negociações não foram suficientes. Motoristas e patrões falham acordo e greve mantém-se

“Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou à agência Lusa o representante do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, no final da reunião.
Recomendadas

Covid-19: Países Baixos agravam restrições de viagem para regiões em Espanha, França e Bélgica

A partir da noite deste sábado, 15 de agosto, os holandeses que se desloquem às regiões espanholas de Madrid, Ilhas Baleares, Burgos, Salamanca, Almería e Navarra, estão sujeitos a uma “recomendação urgente” de que façam quarentena no regresso aos Países Baixos.

Covid-19: Itália com 626 novos casos e em tendência crescente

Veneto registou 120 novos casos nas últimas 24 horas (127 no dia anterior), seguindo-se a Lombardia, com 94 novos casos. Na Lombardia a zona mais afetada é a de Milão, com 34 dos 94 novos casos, 16 dos quais na cidade que é o centro económico do país.

Covid-19: Rússia anuncia produção do primeiro lote de vacina

O presidente russo disse na terça-feira que uma primeira vacina “bastante eficaz” foi registada na Rússia pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleïa, em Moscovo, em parceria com o Ministério da Defesa russo.
Comentários