Mais de 14% das bombas sem qualquer tipo combustível ao terceiro dia de greve

Segundo o site “Já não dá para abastecer”, no início da manhã desta quarta-feira, pelas 8h15, havia 545 bombas sem gasolina e 790 sem gasóleo.

greve_motoristas_gasolina_gasóleo_bomba_1
José Coelho/Lusa

Ao terceiro dia da greve dos motoristas, são 429 os postos de combustível sem gasolina ou gasóleo, num total de 2.989 bombas em todo o país. Segundo o site “Já não dá para abastecer”, no início da manhã desta quarta-feira, pelas 8h15, havia 545 bombas sem gasolina e 790 sem gasóleo.

Dos 2.989 postos de combustível que existem no país, há ainda 2.110 (70,3%) que podem prestar serviços aos utentes. As bombas que ainda podem fornecer todos os tipos de produtos são aquelas que se encontram localizadas mais próximas da fronteira com Espanha, apesar de o problema de falta de combustível acontecer em todo o território nacional.

O Governo avançou esta segunda-feira com requisição civil para minimizar os efeitos da greve dos motoristas de matérias perigosas, após a reunião do primeiro-ministro, António Costa, com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. O Executivo de António Costa justificou a decisão de avançar com a requisição civil com o facto de os serviços mínimos não estarem a ser cumpridos.

A requisição civil “compreende o conjunto de medidas determinadas pelo Governo necessárias para, em circunstâncias particularmente graves, se assegurar o regular funcionamento de serviços essenciais de interesse público ou de sectores vitais da economia nacional”, segundo o decreto-lei que criou este instrumento legal em novembro de 1974.

Na passada sexta-feira, o Governo decretou crise energética, que entrou em vigor a partir das 23h59 desta sexta-feira até às 23h59 de 21 de agosto em todo o território nacional. Com a declaração de crise energética, o Governo passa a dispor de  um amplo conjunto de poderes extraordinários para minorar os efeitos das perturbações no abastecimento energético.

Os limites de abastecimento anunciados são de 15 litros na rede prioritária e 25 litros nos restantes postos.

Ler mais
Relacionadas

ENSE desconhece casos de troca de combustível

O porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, Pedro Pardal Henriques, disse na terça-feira que se registaram três situações de troca de combustível em descargas feitas por militares das Forças Armadas e da GNR.

Vieira da Silva desafia motoristas e patrões a negociar

“Chegou o momento das partes, provavelmente até teria sido melhor que tivesse chegado mais cedo, assumirem a responsabilidade por encontrar uma alternativa a este conflito e a alternativa tem que ser a negociação”, disse o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, em entrevista à “SIC Notícias”.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Motoristas recusam cumprir serviços mínimos

“Vem o senhor ministro dizer que há 11 pessoas detidas e 13 que andam foragidas. Nós não aceitamos, e estes homens, em solidariedade com os seus colegas, porque também são verdadeiros vencedores e guerreiros, ninguém vai sair daqui”, afirmou Pedro Pardal Henriques esta quarta-feira de manhã.
Recomendadas

Oficial: Governo decreta fim da crise energética a partir da meia-noite

António Costa fala numa “vitória da democracia e da legalidade democrática” e que Portugal soube mostrar uma “grande maturidade”. Primeiro-ministro revela que a reposição da total normalidade dos combustíveis demorará dois a três dias.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.

Brexit sem acordo levará a escassez de combustível, comida e fármacos

O documento divulgado pelo “Sunday Times” estima também que até 85% dos camiões que atravessam o Canal da Mancha “podem não estar preparados” para as formalidades das alfândegas francesas, o que provocaria longas filas que podem prolongar-se por dias.
Comentários