Mais de 60% das empresas ativas em Cabo Verde não têm contabilidade organizada

O maior número de empresas neste país africano está nos setores do Comércio, Alojamento e Restauração e Indústria Transformadora, segundo o Instituto Nacional de Estatista cabo-verdiano.

Cabo Verde tinha em 2017 quase 10 mil empresas ativas, de acordo com os dados do Recenseamento Empresarial divulgados pelo Instituto Nacional de Estatista (INE) cabo-verdiano. No entanto, 67% desse tecido empresarial não tinha a contabilidade organizada durante esse ano.

O Recenseamento Empresarial do INE aponta que, ao longo deste período de análise, das 11.061 empresas existentes no país, 9.985 estavam ativas, o que permite constatar um aumento de 8,8% relativamente a 2012, último ano da realização deste censo.

O maior número das empresas está nos setores do Comércio (44,3%), Alojamento e Restauração (15,2%) e Indústria Transformadora (9,1%). Em termos de dimensão, 73,8% são microempresas, 10,2% correspondem a pequenas empresas, 13,2% a média empresas e, somente 2,7% são grandes empresas.

As empresas com contabilidade organizada geraram um total de 277.296.048 contos contra os 13.006.335 contos das empresas sem as contas devidamente ordenadas, segundo este organismo de estatística.

As empresas ativas empregaram 63.286 pessoas, sendo que a maioria (58,6%) são homens – e são os colaboradores do sexo masculino quem gere a maior parte das empresas. Sal e a Boa Vista foram as ilhas onde se registaram maior aumento do número de pessoas empregadas. No sentido inverso, aparece a ilha do Maio. Do total de pessoas empregadas, apenas 24,2% dos trabalhadores, tiveram acesso a Internet.

Recomendadas

Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

Ministro das Finanças de Cabo Verde apela à livre circulação de pessoas na CPLP

Vice primeiro-ministro e ministro das finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, defendeu a necessidade de reforçar a cooperação no plano cientifico, empresarial e económico na CPLP.

Primeiro-ministro de Cabo Verde anuncia que 53 mil alunos serão isentos de propinas

Ulisses Correia e Silva afirma que este investimento significa um “ganho significativo” no acesso à educação e no retorno do rendimento às famílias.
Comentários