Mais de metade dos pensionistas recebem abaixo do salário mínimo

Os dados da Segurança Social, disponibilizados pelo site da Pordata, mostram que, ao todo, são cerca de 54% os pensionistas que ganham por mês menos de 580 euros.

Mais de 1,6 milhões de pensionistas e aposentados da Segurança Social receberam reformas abaixo do salário mínimo nacional. Os dados da Segurança Social, disponibilizados pelo site da Pordata, mostram que, ao todo, são cerca de 54% os pensionistas que ganham por mês menos de 580 euros, avança o jornal “Correio da Manhã”.

No setor privado, foram contabilizados, no ano passado, mais de 1,4 milhões de pensões de velhice e 145 mil de invalidez abaixo do salário mínimo nacional. Já a Caixa Geral de Aposentações (CGA), que integra os reformados da administração pública, contabilizou pouco mais de 100 mil com pensões abaixo dos 500 euros. No extremo oposto, foram contabilizadas na CGA 6.564 pessoas com reformas superiores a 4 mil euros mensais.

No ano passado, as receitas da CGA com quotizações ascenderam a 3,8 milhões de euros, menos 86 milhões do que em 2016. As despesas chegaram a 8,8 mil milhões de euros, o que significa que os descontos dos trabalhadores para a CGA pagam menos de metade dos encargos com pensões.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários