“Mais uma história muito pouco linear do Banco Bom”. Rio pede investigação a venda de subsidiária de Novo Banco

O líder do PSD descreveu a venda da subsidiária francesa do Banco Espírito Santo de la Vénétie (BESV) como sendo “mais uma história muito pouco linear do Banco Bom”.

O líder do PSD Rui Rio pediu que a venda do Novo Banco da subsidiária francesa do Banco Espírito Santo de la Vénétie (BESV) fosse investigada, no final de quinta-feira, 24 de setembro.

“Mais uma história muito pouco linear do Banco Bom. Não podemos cruzar os braços. Repito: tudo isto tem de ser investigado de forma competente e independente”, escreveu Rui Rio no Twitter.


A notícia foi avançada pelo jornal “Público”, a 24 de setembro e revela que no final de 2018, o Novo Banco (NB) vendeu a sua subsidiária francesa Banco Espírito Santo de la Vénétie (BESV) com um desconto de 68,2% ao fundo norte-americano Cerberus, algo que implica conflito de interesses sendo que o anterior chairman do Novo Banco foi CEO de um banco do fundo comprador. A auditoria feita pela Deloitte confirmou a informação e o Banco de Portugal está a analisar as “falhas” nesta situação.

Por sua vez, o Novo Banco, em resposta ao “Público” apontou que “o BESV foi vendido à melhor proposta por um preço em linha com o mercado”, e sublinha que “em aquisições de instituições financeiras como o BESV a idoneidade e credibilidade do comprador é da competência dos reguladores, em que se inclui a verificação do conflito de interesses”.

Tendo em conta a controvérsia que tem gerado tanto o resultado da auditoria da Deloitte ao Novo Banco, como o conflito de interesses criado pela assessoria da Deloitte Espanha  ao Novo Banco na venda da GNB Vida em 2017 e concluída em outubro de 2019, que gerou perdas de 250 milhões, na manhã desta sexta-feira, 25 de setembro, estão a ser discutidas as propostas do CHEGA, Bloco de Esquerda, Iniciativa Liberal, e Partido Socialista sobre a criação de uma comissão de inquérito parlamentar sobre Novo Banco.

 

Ler mais
Relacionadas

PS quer perceber porque é o Banco de Portugal não vendeu Novo Banco em 2015

João Paulo Correia, deputado do PS, explicou que quer uma comissão parlamentar de inquérito sobre o Novo Banco que parta da resolução do BES, em 2014, até aos dias de hoje. Nomeadamente, o PS quer saber porque é o Banco de Portugal interrompeu a venda do Novo Banco quando havia “três propostas muito boas”.

Novo Banco. IL diz que “trabalhadores são as vítimas mais ignoradas deste circo”

João Cotrim Figueiredo, deputado da Iniciativa Liberal, pretende uma comissão de inquérito parlamentar para dissipar as dúvidas que pairam sobre o Novo Banco, que penalizam a gestão, reputação e trabalhadores do banco. E ataca o Governo, que diz que “mentiu sobre consequências financeiras” da venda do banco.

Mariana Mortágua acusa André Ventura de estar “comprometido até ao pescoço” com negócios obscuros da banca

A deputada do Bloco de Esquerda aproveitou o anúncio de que o partido vai aprovar todas as propostas de inquérito parlamentar ao Novo Banco, incluindo a do Chega, para defender a necessidade de se investigar todas as “influências e obscuros interesses privados” nos partidos e acusar André Ventura de ser “um político do pior que o sistema tem”.
Recomendadas

Deputada Cristina Rodrigues considera que OE2021 responde “na medida do possível” à crise da Covid-19

A ex-deputada do PAN defende que há ainda questões que podem ser melhoradas na proposta orçamental, mas destaca já alguns avanços do Executivo socialista, sobretudo no que toca à proteção dos animais.
joacine_katar_moreira_livre

OE2021 com viabilização garantida? Abstenção das deputadas não-inscritas resolve impasse

As duas abstenções das deputadas não-inscritas, Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues, dão ao Governo o resultado necessário para aprovar, matematicamente, o Orçamento do Estado na generalidade, com 108 a favor, 103 contra e 19 abstenções. OE2021 seguirá para debate na especialidade.
Cristina Rodrigues

OE2021: Deputada não inscrita Cristina Rodrigues abstém-se e garante viabilização na generalidade

O debate do Orçamento do Estado para 2021 está agendado para terça-feira e quarta-feira no parlamento, sendo votado, na generalidade, no último dia.
Comentários