Manifesto para acelerar o processo de descarbonização assinado por 82 empresas, das quais 11 do PSI-20

Mais de 80 empresas portuguesas assinaram o manifesto “Rumo à COP26” promovido pelo BCSD Portugal – Business Council for Sustainable Development Portugal, das quais se destaca o Millennium BCP, a EDP; a Galp; a Navigator, a Altri, a Sonae e a Jerónimo Martins no PSI-20 e Brisa, Cimpor, Finerge, Fidelidade, Santander, Águas de Portugal, entre outros, fora do índice bolsista.

Mais de 80 empresas portuguesas assinaram o manifesto “Rumo à COP26” promovido pelo BCSD Portugal – Business Council for Sustainable Development Portugal – uma associação sem fins lucrativos que agrega e representa mais de 100 empresas de referência em Portugal, que se comprometem ativamente com a transição para a sustentabilidade.

São ao certo 82 empresas que operam em Portugal, das quais 11 fazem parte do PSI-20. Das quais se destaca o Millennium BCP, a EDP; a Galp; a Navigator, a Altri, a Sonae e a Jerónimo Martins. Fora do PSI-20 o manifesto foi assinado pela Brisa, Cimpor, Finerge, Fidelidade, Santander, Águas de Portugal, entre outros

“São 82 as empresas e organizações signatárias do manifesto”, diz o comunicado enviado à redações. O documento surge a três meses da COP26 sobre o clima e apresenta 11 objetivos para travar as alterações climáticas.

A conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021, também conhecida como COP26  é a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Está programada para ser realizada na cidade de Glasgow, de 31 de outubro a 12 de novembro de 2021, sob a presidência do Reino Unido.

“Estamos num momento decisivo. É crucial aproveitar as lições da pandemia para acelerar a transição necessária e evidente a urgência da COP26 ser um sucesso, de forma a evitar consequências desastrosas para as sociedades e economias. Assim termina o manifesto lançado hoje pelo BCSD Portugal, a cerca de três meses da 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26)”, lê-se na nota.

A BCSD diz que “sendo este um momento crítico para se cumprir o Acordo de Paris sobre o clima, um grupo de empresas-membro do BCSD Portugal e de membros do seu Conselho Consultivo destacam um conjunto de objetivos de grande relevância para que esta conferência seja um sucesso”.

O manifesto reafirma “a relevância desta conferência e sublinha os principais resultados esperados, através de 11 pontos que refletem os diferentes aspetos a considerar para aumentar a ambição da resposta global e coletiva, alinhada com o objetivo de limitar o aquecimento da Terra a 1,5⁰C, o que obriga a acelerar o processo de descarbonização em todo o mundo”.

João Castello Branco, Presidente da Direção do BCSD Portugal e Presidente do Conselho de Administração da empresa de pasta e papel The Navigator Company, sublinha a importância desta iniciativa, explicando que “não podemos deixar que a ação climática se limite às políticas e iniciativas atualmente em curso, sob pena de isso resultar num aquecimento global no mínimo de 2,9⁰C, o que não é, de todo, compatível com a proteção que se ambiciona para o planeta e para a biosfera”.

Por sua vez, o Secretário-Geral do BCSD Portugal, João Meneses, acrescenta que “as empresas têm um papel decisivo na ação climática, não só pelos impactos das suas cadeias de valor, mas sobretudo pelo seu potencial de investimento, conhecimento e inovação”.

A BCSD Portugal é presidida por João Castello Branco, Presidente da The Navigator Company e tem como vice-presidentes António Pires de Lima, presidente da Brisa; Cristina Amorim (Administradora e CFO no Grupo Amorim); Miguel Setas (administrador da EDP); Carlos Costa Pina (administrador executivo da Galp Energia); Isabel Barros (administradora executiva da Sonae MC) e Joaquim Cabaço (Presidente da Trivalor).

O BCSD Portugal integra a Rede Global do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a maior organização internacional empresarial a trabalhar a área do desenvolvimento sustentável. “A nossa missão central é ajudar as empresas associadas na sua jornada para a sustentabilidade, promovendo o impacto positivo para stakeholders, a sociedade e o ambiente”, afirmam.

O manifesto foi já assinado por 82 empresas, nomeadamente: Abreu Advogados, Águas e Energia do Porto, Algebra Capital, Altice Portugal, Altri, SGPS, Ambiosfera, ANA-Aeroportos de Portugal, APCER – Associação Portuguesa de Certificação, APlanet, Avenue, BioRumo – Consultoria em Ambiente e Sustentabilidade, Biosphere Portugal, Bondalti, Brisa, Carglass, Casa Mendes Gonçalves, Cimpor Portugal Cabo Verde Operations, CMS – Rui Pena e Arnaut, Cocoon Experience, Companhia das Lezírias, Consulai, Corticeira Amorim, CTT, Deloitte Technology, Delta Cafés, EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, EDP – Energias de Portugal, Efacec, Endesa, Everis Portugal, EY, Fidelidade, Finerge, Flexdeal, Fujitsu Technology Solutions, Galp, GoWithFlow, Grosvenor House of Investments, Grupo Ageas Portugal, Grupo Águas de Portugal, Grupo ProCME, Hovione, HyChem – Química Sustentável, Jerónimo Martins, Joyn SGPS, Lidergraf – Sustainable Printing, Lipor – Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, Loyal, ManpowerGroup Portugal, Metropolitano de Lisboa, Millennium bcp, Mota-Engil, NOS, Oney Bank, Prio Bio, REN – Redes Energéticas Nacionais, Resíduos do Nordeste, Saint-Gobain Portugal, Sair da Casca, Santander, Savills Portugal, Schneider Electric Portugal, Schréder, Secil, Signium | Xara-Brasil, Sofid, Soja de Portugal, Sonae SGPS, Sovena, Stravillia Sustainability Hub, Sumol+Compal, Super Bock Group, Sustainazores, Tabaqueira, Tecnoplano, The Navigator Company, Tintex Textiles, Trivalor SGPS, UCI – Crédito, VINCI Energies Portugal, Vogue Homes, Zolve – Logística e Transporte, e pelos Presidente e Vice-Presidente do Conselho Consultivo do BCSD Portugal.

 

Recomendadas

Groundforce lamenta que insolvência impeça “caminho de regresso à normalidade”

Para a empresa, que refere ter tido conhecimento da decisão judicial esta quarta-feira, a continuação da operação “era a opção que melhor defendia o interesse de todas as partes interessadas”.

EDP Renováveis vende seis parques eólicos na Polónia por 303 milhões de euros

A energética diz que o negócio “rá contribuir com aproximadamente 303 milhões de euros de encaixe de rotação de ativos e está inserida no contexto do programa de rotação de ativos de 8 mil milhões de euros anunciado no Capital Markets Day”.

Sindicatos reúnem-se com Governo para debater insolvência da Groundforce

A reunião, por videoconferência, deverá contar com a maioria das estruturas sindicais representadas na empresa, conta com a presença do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Mendes, e tem como objetivo informar os trabalhadores sobre o processo. 
Comentários