Manuel Pinho: “É totalmente falso que eu tenha recebido uma avença do BES”

Antigo ministro da Economia nega ter recebido avença do Banco Espírito Santo, em plena audição na Comissão de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade.

“É totalmente falso que eu tenha recebido uma avença do Banco Espírito Santo”, garantiu desde logo Manuel Pinho, antigo ministro da Economia, em declaração prévia aos deputados no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Pinho é suspeito de ter recebido cerca de 778 mil euros da Espírito Santo Enterprise, empresa do Grupo Espírito Santo (GES), no mesmo período de tempo em que exerceu funções no Governo do PS liderado por José Sócrates.

Em audição na referida Comissão Parlamentar de Inquérito, o ex-governante negou ter recebido “uma avença”, mas sublinhou que vai manter o silêncio em relação a matérias relacionadas com o inquérito judicial em curso. “Não sou arguido, mas sou suspeito. Assim sendo, tenho o direito ao silêncio”, afirmou Pinho. “Não fui corrompido, não recebi qualquer pagamento ou convite indevido”, assegurou.

Perante estas declarações iniciais de Pinho, sublinhando que não vai responder a perguntas relacionadas com o inquérito judicial, os deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito ponderam suspender ou até mesmo cancelar a audição. Por seu lado, Pinho sugere quais deveriam ser os temas abordados na audição. “Não vamos discutir o que é mais importante, a venda das empresas estratégicas de energia a investidores estrangeiros”, ironiza.

Recomendadas

Marginal parcialmente fechada ao trânsito entre São Pedro e Parede por razões de segurança

“A segurança das pessoas e bens é primordial e é prioritária. Um incómodo hoje pode evitar uma tragédia amanhã”, argumenta a autarquia de Cascais.

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.
Comentários