Manuel Pinho: “É totalmente falso que eu tenha recebido uma avença do BES”

Antigo ministro da Economia nega ter recebido avença do Banco Espírito Santo, em plena audição na Comissão de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade.

“É totalmente falso que eu tenha recebido uma avença do Banco Espírito Santo”, garantiu desde logo Manuel Pinho, antigo ministro da Economia, em declaração prévia aos deputados no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Pinho é suspeito de ter recebido cerca de 778 mil euros da Espírito Santo Enterprise, empresa do Grupo Espírito Santo (GES), no mesmo período de tempo em que exerceu funções no Governo do PS liderado por José Sócrates.

Em audição na referida Comissão Parlamentar de Inquérito, o ex-governante negou ter recebido “uma avença”, mas sublinhou que vai manter o silêncio em relação a matérias relacionadas com o inquérito judicial em curso. “Não sou arguido, mas sou suspeito. Assim sendo, tenho o direito ao silêncio”, afirmou Pinho. “Não fui corrompido, não recebi qualquer pagamento ou convite indevido”, assegurou.

Perante estas declarações iniciais de Pinho, sublinhando que não vai responder a perguntas relacionadas com o inquérito judicial, os deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito ponderam suspender ou até mesmo cancelar a audição. Por seu lado, Pinho sugere quais deveriam ser os temas abordados na audição. “Não vamos discutir o que é mais importante, a venda das empresas estratégicas de energia a investidores estrangeiros”, ironiza.

Recomendadas

CGTP avisa Governo para não subestimar os sindicatos

Arménio Carlos afirmou que no dia 1 de outubro, a poucos dias das eleições, haverá forte contestação à entrada em vigor das alterações à lei laboral.

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.

António Costa já tem parecer da PGR sobre contratos com empresas de familiares de governantes

Primeiro-ministro já tem em mãos parecer da PGR sobre contratos do Estado com empresas de familiares de governantes.
Comentários