PremiumMão de obra migrante é chave no agroalimentar

Trabalhadores estrangeiros são cruciais para o sector e são necessárias políticas de integração mais eficazes, defendem especialistas.

A migração é, hoje em dia, entendida como um tema determinante para a produção agrícola. Para Portugal, embora seja tradicionalmente por motivos económicos, já se assiste a uma diversificação no perfil deste migrantes que varia entre os estudantes internacionais, reformados, migrantes em busca de asilo e pessoas que escolhem Portugal como destino laboral, nomeadamente, através do sector agrícola que é “um importante empregador de trabalhadores migrantes”, referiu a Alta Comissariada para as Migrações. E isso reflete-se nos números: em 2019, o Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA), do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) dava conta de um aumento de 23% em relação ao ano anterior, tendo sido contabilizados 590.348 cidadãos estrangeiros com título de residência válido – o valor mais elevado desde 1976.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Instituto do Vinho do Porto autoriza uso da marca ‘Portonic’

O uso da marca depende de prévia autorização pelo IVDP, designadamente da rotulagem da embalagem e da aprovação da bebida, adianta um comunicado desta entidade, sendo que essa bebida pode ser apresentada em garrafa, lata ou outros tipos de embalagem, com diferentes capacidades, a aprovar pelo IVDP.

PremiumUma marisqueira Luminosa no centro da capital

O desafio foi-nos lançado pelo chef João Pedro Costa. Em duas partes.

Grupo de restauração Poke House angariou 20 milhões de euros e vai reforçar expansão em Portugal

Esta cadeia de restauração especializada em gastronomia havaiana estima uma receita de mais de quatro milhões de euros em 2021 no mercado nacional e prevê abrir mais 15 restaurantes em Portugal até ao final de 2024.
Comentários