‘Mão pesada’ chega à Suécia para conter infeção por Covid-19

O objetivo de Löfven, o primeiro-ministro sueco, é ter os poderes concentrados no governo, para que consigam conter a propagação do vírus, com efeitos imediatos, e impedir a fase de mitigação que está atualmente a acontecer em vários países.

Depois ter tomado medidas consideradas leves e com o aumento de mortes e casos de infeção, a Suécia optou por aplicar um sistema de mais restritivo. A anterior medida parecia estar a resultar mas com as vítimas mortais a superarem as 400 e o número de infetados a ascender aos 6.830, o primeiro-ministro deixou a confiança no civismo sueco de lado.

Com uma taxa de mortalidade com 40 óbitos por um milhão de visitantes, bastante superior à dos seus vizinhos nórdicos, o primeiro-ministro Stefan Löfven decidiu propor a criação de uma lei para passar a governar, ainda que por decreto, durante esta pandemia, de forma a aplicar as medidas sem aprovação do Parlamento sueco.

O objetivo de Löfven é ter os poderes concentrados no governo, para que consigam conter a propagação do vírus, com efeitos imediatos, e impedir a fase de mitigação que está atualmente a acontecer em vários países, sendo que esta é considerada a pior fase do Covid-19.

O primeiro-ministro da Suécia quer encerrar lojas, restaurantes, transportes e os aeroportos do país, uma vez que a crença no comportamento cívico por parte dos cidadãos suecos parece não ser suficiente, embora se tenha assistido a uma redução de 70% na cidade. Até à data, a Suécia não tinha bloqueado as fronteiras nem imposto restrições aos movimentos de cidadãos, tanto que as escolas permaneciam abertas e os transportes públicos estavam lotados.

No entanto, a oposição ao governo negou o decreto para que este governe, sendo que agora Löfven vai procurar a aprovação direta do Parlamento, para que consiga implementar as medidas que considera necessárias para conter o vírus. Entre as medidas que o primeiro-ministro espera implementar, encontram-se a limitação de encontros públicos, encerramento de comércio e a requisição de equipamentos médicos ao setor privado.

Relacionadas

Suécia não impõe limites e torna-se exemplo de combate ao vírus

O chefe da autoridade de saúde pública defendeu que o país “não se podem tomar medidas excessivamente rigorosas que têm um impacto limitado na pandemia, mas que ignoram as funções da sociedade”, impedindo-a de funcionar corretamente.

“O Governo vai levar-nos à catástrofe”. Médicos suecos exigem medidas mais rigorosas para conter o vírus

“Existem sinais de uma taxa de duplicação superior à de Itália”, conta a imunologista sueca que critica a falta de medidas de restrição no país. Governo pede aos suecos que se comportem “como adultos” e que não espalhem “pânico ou boatos”.
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários