Marcelo ataca Graça Freitas e a DGS: “Não se conhecem as regras do Avante a cinco dias da festa”

O Presidente da República deixou fortes críticas à atuação da Direção-Geral da Saúde e da sua diretora em relação à festa organizada pelo PCP. Marcelo diz estar preocupado com a situação e lamenta que, apesar dos avisos feitos por si há três semanas, DGS e PCP tenham decidido não revelar quais as “regras do jogo”.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

São palavras muito duras do Presidente da República em relação à atuação da Direção-Geral da Saúde (DGS) e a sua diretora, Graça Freitas, devido às regras sanitárias para a Festa do Avante, organizada pelo PCP, que decorre entre 4 e 6 de setembro no concelho do Seixal, distrito de Setúbal

“Quando a 26 de maio deste ano prolonguei a lei nº 19/2020 sobre festivais e festas chamei a atenção para 3 pontos importantes: que a DGS interviesse com clareza; de forma atempada para as pessoas conhecerem as regras de jogo com antecedência; a terceira, respeitando o principio de igualdade”, começou por dizer o Marcelo Rebelo de Sousa hoje durante uma visita a Monchique, distrito de Faro.

“Estamos hoje a cinco dias da realização e não se conhece a posição das autoridades sanitárias sobre as regras que entendem que devem presidir à realização. Não há conhecimento atempado, não há clareza, e não se pode saber se a respeito do princípio da igualdade. Isto não é bom, não é bom para ninguém, não é bom para o Estado”, declarou o Presidente em declarações transmitidas pela CMTV.

“A DGS significa Estado, é uma direção-geral enquadrada no Estado. Não é bom para quem organiza esta indefinição de regras [PCP]e não é bom para a credibilidade que é fundamental neste momento, que tem conhecido altos e baixos. Ultimamente, os valores tem subido um bocado, estando aí numa linha de altos e baixos que não é de rutura. Mais do que noutras ocasiões impunha-se que se soubesse com antecedência as regras do jogo”, declarou o Chefe de Estado.

” Se se conhecesse as regras do jogo com clareza, não se conhece, e se se pudesse comparar com outras situações, o que não é possível, isso preocupa-me e penso que não é um bom augúrio a esta distância. Nunca pensei que quando falei da mesma matéria aqui no Algarve há três semanas que chegássemos a cinco dias sem conhecer as regras do jogo”, segundo Marcelo Rebelo de Sousa.

Relacionadas

Festa do Avante: Ordem dos Médicos defende “fiscalização independente” das regras sanitárias

A Ordem dos Médicos defende que a informação sobre as regras sanitárias “tem de ser pública” e aponta que os eventos de massas têm de ser fiscalizados por entidades independentes: “A fiscalização não pode ficar a cargo dos interessados”.

“Há um clima favorável para que isso aconteça”, diz DGS sobre aumento de casos de infeção

Graça Freitas realçou que tem existido um aumento da atividade do vírus e do número de casos por toda a Europa. “É precoce conseguir explicar tudo”, referiu a diretora geral de Saúde.

Jerónimo de Sousa garante que PCP fará a Festa do Avante

Para o secretário-geral do PCP, que falava durante um comício que se realizou hoje no Jardim 1.º de Maio, em Grândola, no distrito de Setúbal, está em curso “um violenta ofensiva” contra uma festa “onde estão garantidas condições de segurança e tranquilidade”.
Recomendadas
costa e marcelo

OE 2022. Costa e Governo nas mãos do PCP e do PEV

A proposta para o OE22 conta, neste momento, com 105 votos contra, 108 a favor e seis abstenções. PCP e PEV têm um total de 12 deputados.
joacine_katar_moreira_livre

OE 2022: Joacine Katar Moreira anuncia abstenção na generalidade (com áudio)

Até ao momento, já anunciaram o chumbo, o PSD, CDS-PP, Chega, IL e Bloco de Esquerda, num total de 105 votos. A favor, o PS (108 votos), com as abstenções das duas deputadas únicas.

Eleições antecipadas poderiam causar “dano sério ao país”, diz ex-ministro Vieira da Silva

Em entrevista à rádio “Antena1” e ao “Jornal de Negócios”, o antigo ministro do Trabalho considera que os partidos têm de saber fazer a conciliação entre os interesses de manutenção da sua influência e afirma que a discussão sobre a legislação laboral não devia ser confundida com a do OE.
Comentários