Marcelo diz que é prematuro anunciar recandidatura

Marcelo diz que vai seguir a norma dos ex-presidentes que só anunciaram em outubro a sua recandidatura, quando tinham eleições em janeiro. O Presidente considera que iria perder autoridade com um anúncio prematuro.

Marcelo Rebelo de Sousa à saída do Infarmed
Presidência da República

Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje que é prematuro anunciar se se recandidata à Presidência da República.

Questionado sobre as declarações do primeiro-ministro, que considerou que se Marcelo não se recandidatar seria um “problema grave”, o Presidente disse que a decisão cabe ser tomada pelo “cidadão Marcelo Rebelo de Sousa”.

“Não será certamente antes do momento em que foi com os outros presidentes. Nenhum Presidente com eleições em janeiro, anunciou antes de outubro, e em muitos casos no final de outubro”, afirmou durante uma visita às Caldas de Monchique, distrito de Faro.

“Neste momento temos uma circunstância especial chamada pandemia, ninguém sabe como vai correr. Portugal precisa de um Presidente da República, que vete, tome decisões, que diga que não há dissolução, que tenha posições claras, sobre questões claras e importantes, não de um candidato a candidato”, disse em declarações transmitidas pela CMTV.

O Chefe de Estado explicou os riscos de anunciar prematuramente uma recandidatura ou não recandidatura. “Se de repente um Presidente diz prematuramente que não se candidata, perde o peso que tem. Se disser que se candidata antes do tempo, em vez de decidir em nome do Estado decide em nome de uma campanha eleitoral”.

“Querendo, vamos ver se essa e a decisão do cidadão Marcelo Rebelo de Sousa”, afirmou o Presidente da República.

Relacionadas

António Costa acredita que se Marcelo não se recandidatasse a Presidente da República “havia um problema grave”

Esta opinião foi transmitida por António Costa em entrevista ao semanário Expresso, em que também adianta que, por exercer as funções de primeiro-ministro, adotará uma atitude de “recato” nas próximas eleições presidenciais.

Presidente da República volta a afastar dissolução do Parlamento

“A faca e o queijo estão na mão do Presidente. Mas crise que envolva a dissolução não haverá. Depende do Presidente da República, não depende de mais ninguém”, afirmou hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo ataca Graça Freitas e a DGS: “Não se conhecem as regras do Avante a cinco dias da festa”

O Presidente da República deixou fortes críticas à atuação da Direção-Geral da Saúde e da sua diretora em relação à festa organizada pelo PCP. Marcelo diz estar preocupado com a situação e lamenta que, apesar dos avisos feitos por si há três semanas, DGS e PCP tenham decidido não revelar quais as “regras do jogo”.
Recomendadas

Autárquicas: Jerónimo acusa PS de usar aparelho do Estado para conquistar votos

O secretário-geral do PCP acusou hoje o PS de estar a utilizar o aparelho do Estado, nomeadamente a “bazuca europeia”, para conquistar votos nas eleições autárquicas, e exigiu que seja garantida a neutralidade dos órgãos de poder.

Autárquicas: Rio acusa Costa líder do PS de “desmentir” Costa PM sobre Matosinhos

O presidente do PSD acusou hoje António Costa de, enquanto líder do PS, ter desmentido no domingo o que disse enquanto primeiro-ministro sobre o encerramento da refinaria de Matosinhos, porque “para ele vale tudo para ganhar eleições”.

“PRR na campanha autárquica? É gravíssimo e só demonstra a falta de vergonha do PS”, considera candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considerou “gravíssima” a entrada do Plano de Recuperação e Resiliência na campanha eleitoral, algo que no entender deste consultor, “só demonstra a falta de vergonha” dos socialistas.
Comentários