Marcelo não quer familiares no Governo: “Não me apareçam com mais nomes”

Marcelo Rebelo de Sousa admite que é preciso saber afastar a família do poder e que “família de Presidente não é Presidente”. O Presidente da República diz que é preciso impedir que as exceções se tornem regras.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou numa entrevista ao jornal Expresso que “não é bom misturar família com política”. Esta declaração surge no seguimento da nomeação de familiares de políticos para o presente elenco governamental.

O chefe de Estado é muito claro: “Não me apareçam com mais nomes”. No entanto, refere que embora não se possa “ser rígido, há sempre exceções à regra”. Esta regra é implícita para cargos no Governo ou em outras estruturas do Estado, e avisa que é preciso ter cuidado com as próximas nomeações.

Marcelo Rebelo de Sousa admite na entrevista que é alérgico aos riscos do nepotismo na imagem dos sistemas partidários e no efeito de fechamento que este provoca no Estado. “Pessoalmente fiquei marcado na infância e nestas questões eu levo o rigor a um ponto que às vezes peco por excesso”, assumiu o atual Presidente da República, que é filho de um ex-governante da ditadura.

Para explicar que “família de Presidente não é Presidente”, Marcelo Rebelo de Sousa invocou o nome do seu antecessor a propósito da nomeação de familiares no Governo de António Costa. O atual Presidente explica que Cavaco Silva é “insuspeito” e que se aceitou as quatro nomeações para o Governo foi porque “ponderou a qualidade das carreiras e o mérito para o exercício das funções”. E acrescenta ainda o exemplo do ex-Presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, que nomeou o irmão como ministro da Justiça. Ainda assim, admite que é preciso impedir que a exceção se torne uma regra comum.

Como se considera “pecador por excesso”, Marcelo Rebelo de Sousa admite que causou uma alteração ao protocolo por o seu filho ter sido convidado para discursar numa homenagem. Nuno Rebelo de Sousa, presidente da Câmara de Comércio Luso-Brasileira, vive no Brasil e é filho do chefe de Estado. Quando se realizou uma cerimónia de homenagem a Marcelo no Brasil, o Presidente português recusou que o filho fizesse um discurso porque garantiu que é preciso saber afastar a família do trabalho.

Teia de relações no Governo Costa e Parlamento junta 27 pessoas e 12 famílias no poder

Ler mais
Recomendadas

Ana Gomes avisa que António Costa poderá rumar a Bruxelas em 2022

A socialista acredita que o primeiro-ministro poderá assumir o cargo de presidente do Conselho Europeu, atualmente ocupado pelo belga Charles Michel. Eventual saída de Costa teria lugar um ano antes do final da atual legislatura, que termina em 2023.

Sindicatos da Função Pública reúnem-se hoje com Governo para rever sistema de avaliação

Esta segunda ronda negocial sobre o sistema de avaliação realiza-se dez dias antes da greve marcada para dia 20 pela Frente Comum, em defesa do aumento dos salários, da revisão das carreiras e da tabela remuneratória e da revogação do SIADAP.

“Vamos fazer um investimento superior a 12 milhões de euros”, garante autarca de Lamego (com áudio)

Ângelo Moura, presidente da Câmara de Lamego, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, fala do forte investimento na mobilidade sustentável, reabilitação urbana e intervenção comunitária, apesar das dificuldades impostas pela pandemia.
Comentários