Marcelo promulga lei da Paridade

Presidente da República indicou preferir que a alteração sobre legislação eleitoral não fosse submetida a promulgação a pouco menos de seis meses de eleição a que se aplica.

O Presidente da República promulgou esta quinta-feira a Lei da Paridade apesar de manifestar algum desconforto por preferir que a alteração sobre legislação eleitoral não fosse submetida a promulgação a pouco menos de seis meses de eleição a que se aplica”, explicou Marcelo Rebelo de Sousa na página da Presidência da República.

“Embora tivesse preferido que alteração sobre legislação eleitoral não fosse submetida a promulgação a pouco menos de seis meses de eleição a que se aplica, e não compreenda por que razão a paridade vale, como princípio, para todas as eleições com listas plurinominais, salvo as regionais (até porque, para estas, sendo o caso de se considerar inaceitável a aplicação imediata, sempre se poderia excecionar essa aplicação – como sucede com as eleições europeias), tendo em consideração a relevância do princípio consagrado, o Presidente da República promulgou o Decreto da Assembleia da República que procede à segunda alteração à Lei da Paridade nos Órgãos do Poder Político, aprovada pela Lei Orgânica n.º 3/2006, de 21 de agosto”, esclareceu Marcelo na página da Presidência.

O Presidente da República esclareceu ainda que, “tendo em atenção o princípio que inspira este diploma e na expetativa que a sua aplicação não suscite interpretações redutoras em termos de constitucionalidade, o Presidente da República promulgou também hoje o diploma da Assembleia da República que estabelece o regime da representação equilibrada entre homens e mulheres no pessoal dirigente e nos órgãos da Administração Pública”.

Recomendadas

“Não existem poções mágicas para aproximar os cidadãos da política”

“Acreditamos, por isso, que estamos a fazer serviço público e que os deputados e deputadas muito apreciarão. Tornar o trabalho dos parlamentares acessível a todos e de uma forma mais acessível parece-nos recolher muito entusiasmo”, assume um dos investigadores do projeto.

PCP apresenta programa eleitoral com “emergência salarial” e justiça fiscal em destaque

Entre as medidas que constam no programa eleitoral da CDU, que vai ser esta terça-feira apresentado, estão o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros e a redução do IVA, bem como um reforço no investimento público e a rutura com a política de direita de PS, PSD e CDS.

Parlamento Europeu escolhe entre Ursula von der Leyen e a crise política

Voto secreto e difícil conciliação das diversas famílias políticas aumentam suspense quanto ao veredicto do Parlamento Europeu. Chumbo da ainda ministra da Defesa da Alemanha daria um mês para os Estados-membros encontrarem uma nova solução.
Comentários