Marcelo Rebelo de Sousa: “Não me passa pela cabeça que o Orçamento do Estado seja chumbado”

Numa altura de pandemia, crise económica e social, em que Portugal se prepara para receber fundos europeus, assumir a Presidência da UE e votar para um novo Presidente da República, o que impossibilita a dissolução do Parlamento até março, Marcelo Rebelo de Sousa apelou a que seja aprovado o Orçamento do Estado.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

O Presidente da República apelou esta sexta-feira a que o Orçamento do Estado (OE) seja aprovado numa altura em que o interesse nacional se sobrepõe a quezílias partidárias, dada a situação pandémica que o país vive, a crise social que atravessa e a aproximação das eleições presidenciais, que impediriam o PR de dissolver o Parlamento caso se desse uma crise orçamental e política.

Falando aos jornalistas em S. Brás de Alportel, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que, enquanto líder de bancada da oposição ao Governo de António Guterres, viabilizou três Orçamento do Estado, apesar de uma parte do seu partido se ter oposto à decisão.

“Para mim é óbvio que tem de ser viabilizado o OE. Não me passa pela cabeça que, num momento em que a pandemia pode estar em números muito altos, em que a crise económica e social pode estar agravada, em que é fundamental recebermos e utilizarmos bem o dinheiro europeu e estamos prestes a receber a Presidência da União Europeia, seja chumbado o OE”, apelou o presidente.

Ainda assim, o PR recusou atribuir responsabilidades pela aprovação do documento, falando em “bom senso”. “Acho que o normal, em Portugal, é que haja um governo apoiado pela esquerda (…), mas, no caso do OE, se não for possível haver esse apoio natural à esquerda, a oposição pensará aquilo que eu pensei na altura”, lembrando os seus tempos de líder de bancada social-democrata.

Marcelo comentou ainda os indicadores económicos provisórios deste ano, salientando que “está aberto um leque muito grande de possibilidades para o défice”, considerando o aumento da despesa e a diminuição de receita que trouxe a pandemia. O Presidente da República salientou ainda que, apesar do crescimento do número de desempregados, dependerá da “resposta económica e social haver mais” pessoas em tal situação.

Relacionadas

“É natural que o Orçamento do Estado passe à esquerda”, sublinha Marcelo

“É fundamental que o OE seja viabilizado porque o plano de recuperação é essencial, porque temos o quadro financeiro multianual e isso tem a ver com os próximos orçamentos. Para Portugal é muito importante que o OE não tenha na votação final global uma inviabilidade”, explicou o Presidente da República.

OE2021: Votação na generalidade marcada para 28 de outubro e final global para 27 de novembro

A conferência de líderes parlamentares aprovou hoje o calendário de apreciação do Orçamento do Estado do próximo ano, que arrancará com audições na generalidade dos ministros das Finanças e do Trabalho, marcadas para 23 e 26 de outubro, respetivamente.
Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários