Marcelo responde a Teodora: “Milagre só o de Fátima”

Presidente da República respondeu à presidente do Conselho de Finanças Públicas sobre o “milagre” do défice: “Saiu do pelo e do trabalho dos portugueses”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República defendeu esta quinta-feira que o défice orçamental de 2016 abaixo de 2,1% do PIB é um resultado do esforço e trabalho dos portugueses e não um milagre. Marcelo Rebelo de Sousa respondeu, assim, às declarações da presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso, que afirmou que “até certo ponto, houve um milagre” no défice, em entrevista à “Rádio Renascença” e ao jornal “Público”.

“Milagre este ano em Portugal só vamos celebrar um que é o de Fátima. Pelo menos os crentes, como eu. Tudo o resto não é milagre. Saiu do pelo e do trabalho dos portugueses desde 2011/2012”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado sobre as declarações de Teodora Cardoso depois de uma visita à Escola Rodrigues de Freitas, no Porto.

Durante a entrevista à “Renascença” e ao “Público”, a presidente do Conselho de Finanças Públicas defendeu que Portugal pode sair do procedimento por défice excessivo este ano, mas que existe o risco de reentrar, como já aconteceu. Classificando o resultado do défice como um milagre, Teodora Cardoso disse ainda duvidar da sustentabilidade das medidas do Governo.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários