Marcelo responde a Teodora: “Milagre só o de Fátima”

Presidente da República respondeu à presidente do Conselho de Finanças Públicas sobre o “milagre” do défice: “Saiu do pelo e do trabalho dos portugueses”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República defendeu esta quinta-feira que o défice orçamental de 2016 abaixo de 2,1% do PIB é um resultado do esforço e trabalho dos portugueses e não um milagre. Marcelo Rebelo de Sousa respondeu, assim, às declarações da presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso, que afirmou que “até certo ponto, houve um milagre” no défice, em entrevista à “Rádio Renascença” e ao jornal “Público”.

“Milagre este ano em Portugal só vamos celebrar um que é o de Fátima. Pelo menos os crentes, como eu. Tudo o resto não é milagre. Saiu do pelo e do trabalho dos portugueses desde 2011/2012”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado sobre as declarações de Teodora Cardoso depois de uma visita à Escola Rodrigues de Freitas, no Porto.

Durante a entrevista à “Renascença” e ao “Público”, a presidente do Conselho de Finanças Públicas defendeu que Portugal pode sair do procedimento por défice excessivo este ano, mas que existe o risco de reentrar, como já aconteceu. Classificando o resultado do défice como um milagre, Teodora Cardoso disse ainda duvidar da sustentabilidade das medidas do Governo.

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários