Marcelo sabia da saída de Urbano de Sousa antes de acontecer. Governo “chocado” com discurso do Presidente

Presidente sabia das medidas que iriam ser tomadas no Conselho de Ministro extraordinário, assim como sabia do calendário que iria ser seguido, nomeadamente a demissão da ministra da Administração Interna. No entanto, no discurso perante o país, Marcelo Rebelo de Sousa surpreendeu o Governo com ultimato.

O Governo de António Costa ficou “chocado” com a intervenção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, depois da tragédia de 15 de outubro, porque o Presidente estava a par de tudo.

“As coisas estavam combinadas com o Presidente da República, nomeadamente o momento da saída da ministra Constança Urbano de Sousa”, disse uma fonte do Executivo ao jornal Público.

Depois dos incêndios que mataram 44 pessoas em outubro, Marcelo discurso perante a nação e deixou bem claro o tom duro, e exigiu um “novo ciclo”, caso isso não acontecer, iria “exercer todos os seus poderes”, deixando também a nota de que o Governo teria de “ponderar o quê, quem, como e quando serve este ciclo”.

“Estávamos à espera de um discurso duro, mas ficámos chocados”, conta a mesma fonte.

O Presidente sabia das medidas que iriam ser tomadas no Conselho de Ministro extraordinário, assim como tinha conhecimento do calendário que iria ser seguido, nomeadamente a demissão da ministra da Administração Interna. “Estava tudo acordado. O Presidente sabia da sabia da saída da ministra”, reforçou ao Público o mesmo responsável.

Relacionadas

Marques Mendes: “Discurso de Marcelo matou a moção de censura do CDS”

Marques Mendes considera que a remodelação já estava pensada antes do discurso de Marcelo, e por isso é que conseguiu implementá-la em poucas horas. O comentador dúvida ainda dos argumentos apresentados por Constança Urbano de Sousa na sua carta de demissão.

Incêndios: Marcelo diz que solução encontrada pelo Governo “é justa”

“Permite apontar para aquilo que se queria que é rapidez, justiça, equidade e participação. Nesse sentido foi bom que fosse essa a primeira decisão e parece-me uma decisão muito correta”, frisou o Chefe de Estado.

Marcelo já deu posse a novos ministros Adjunto e da Administração Interna

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu hoje posse aos novos ministros Adjunto do primeiro-ministro, Pedro Siza Vieira, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita, numa cerimónia realizada no Palácio de Belém, em Lisboa.
Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários