Marcelo: “Se houver um agravamento que exigir tomada de medidas serão tomadas”

O Presidente da República disse esta quinta-feira que a evolução da pandemia continuará a ser acompanhada e admitiu que se houver “um agravamento” as restrições serão novamente impostas.

O Presidente da República disse esta quinta-feira que a reunião no Infarmed com os especialistas representou o “fechar de uma página” mas considerou que as conclusões não significam a “conclusão do processo”, porque a evolução da pandemia continuará a ser acompanhada.

“Os portugueses foram percebendo o que era fundamental que fizessem e aderiram. Não estivemos com uma pistola atrás a obrigá-los. Mesmo o confinamento, quando extremo, não era vinculativo e as pessoas aceitaram-no como tal, em consciência, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em conferência de imprensa depois do encontro que envolveu governantes, deputados e epidemiologistas.

“Desde logo que houver circunstâncias que obriguem à imposição de restrições as restrições serão impostas. Vai haver uma monitorização permanente da situação. Se houver um agravamento que exigir tomada de medidas serão tomadas”, advertiu o chefe de Estado.

O Presidente admitiu que os calcanhares de Aquiles são sobretudo o início do ano letivo, o Natal, o fim do ano e o aparecimento de novas variantes do vírus, para os quais será feita uma examinação passo a passo. “Continua a haver internados, doentes em cuidados intensivos e mortes”, alertou Marcelo Rebelo de Sousa.

Na reunião no Infarmed, a Direção-Geral de Saúde (DGS) pôs três cenários pandémicos em cima da mesa: um primeiro, mais simples, em que Portugal não tem de lidar com a preocupação uma nova mutação e a imunidade dure três anos, um segundo que desce esse timing para um ano e um terceiro cenário, mais grave, em que o país tem de enfrentar uma nova variante e o aumento da taxa de mortalidade.

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 1.062 casos confirmados de Covid-19 e seis mortes associadas à doença, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado ao início da tarde pela DGS. Desde o início da  pandemia no país, o total de infetados pelo vírus SARS-CoV-2 é de 1.059.409 e o número oficial de vítimas mortais ultrapassa as 17 mil (17.888 óbitos).

Relacionadas

Gouveia e Melo: “A guerra não acabou, mas a primeira batalha está ganha”

O coordenador da ‘task force’ prevê que se atinja os 85% da vacinação já no final de setembro. Para que tal seja possível, faltam vacinar ainda, em território nacional cerca de 400 mil pessoas. Gouveia e Melo antecipa uma “imunidade de grupo” depois dos 86% completamente vacinados.
Sessão COvid-19 no Infarmed

Portugal com seis vacinas contratadas e duas ainda em discussão

A especialista revelou que duas vacinas, a Comirnaty (Pfizer) e Spikevax (Moderna) preveem ensaios em crianças até aos 12 anos, de forma a analisar o nível de proteção das respetivas vacinas nestas faixas etárias, uma vez que são as únicas que não estão visadas nos estudos divulgados.
Sessão do Infarmed COvid-19

“Estamos no fim de uma fase pandémica”, declara DGS na reunião do Infarmed

A descida da incidência por idade é ainda acompanha por um decréscimo da positividade. “Mostra que mantendo a mesma intensidade de testagem, temos menos vírus em circulação”, tendo Portugal atualmente uma taxa de positividade de 2,5%, abaixo do limiar de 4% definido pelo ECDC.
Recomendadas

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

Esta posição sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 consta de uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do BE.

Profissionais do SNS têm 17 milhões de horas extra acumuladas

De acordo com o “JN”, os médicos, enfermeiros e assistentes operacionais fizeram entre de janeiro e outubro mais de 17 milhões de horas extra, o que representa uma aumento de seis milhões em relação a 2019.

Portugal com 465 casos confirmados por Covid-19 e 9 mortes. Internamentos voltam a aumentar

Em relação à pressão sobre os hospitais, foram admitidas, nas últimas 24 horas, mais 10 pessoas em enfermaria e mais dois doentes em UCI.
Comentários