Marcelo vai “esperar para ver” resultado das negociações sobre aumento do salário mínimo

“É uma questão que envolve vários parceiros e, portanto, é prematuro estar a comentar aquilo que é um processo em curso”, declarou, na ilha do Porto Santo, arquipélago da Madeira, onde termina hoje um curto período de férias.

costa e marcelo
Mário Cruz/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que vai “esperar para ver” o resultado das negociações, em sede de Concertação Social, sobre o aumento do salário mínimo nacional.

“É uma questão que envolve vários parceiros e, portanto, é prematuro estar a comentar aquilo que é um processo em curso”, declarou, na ilha do Porto Santo, arquipélago da Madeira, onde termina hoje um curto período de férias.

Marcelo Rebelo de Sousa comentava, desta forma, uma notícia avançada na edição de hoje pelo semanário Expresso, que aponta para uma “subida de tom” da tensão entre parceiros para o aumento do salário mínimo nacional, que deveria chegar aos 670 euros em 2021 e aos 750 em 2023.

O impacto da pandemia de covid-19 na economia do país levantou, no entanto, a possibilidade de não haver aumento no próximo ano.

“Eu, em relação a essas notícias, acho que o melhor é esperar para ver”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhando que não faz comentários políticos em período de férias.

“Para comentar, o sítio ideal não é em férias no Porto Santo”, declarou, pouco antes de avançar para um mergulho no mar, apesar da chuva que se faz sentir hoje na ilha.

Ler mais
Relacionadas

Aumento do salário mínimo? Esquerda pressiona, patrões descartam e Governo diz ainda ser “cedo”

A discussão do aumento do salário mínimo vai ser a “pedra no sapato” nas negociações para o OE2021 entre a Esquerda, Governo e patrões, escreve o “Expresso”.
Recomendadas

PCP alerta para “instabilidade social” caso OE2021 não responda aos problemas nacionais agravados pela Covid-19

O líder comunista alerta que os “dramas sociais” vão aumentar devido à pandemia da Covid-19 e exorta o Governo a “valorizar salários e dos direitos”. E avisa: PCP não está disponível para negociar com quem “ameace com crises políticas” sem apresentar propostas concretas para os problemas nacionais.

“Foi no CDS-PP que conheci o pior da sociedade”. Ex-candidato à liderança do partido anuncia desfiliação

Sem esclarecer os motivos que levaram à saída do CDS-PP, ao fim de quase 20 anos de militância, Carlos Meira diz que foi entre os democratas-cristãos que conheceu “o pior da sociedade e da natureza humana”, mas garante que nunca conseguiram “calar” a sua voz.

Deputada Cristina Rodrigues pede ao Governo que crie Rendimento Básico Incondicional

A iniciativa visa assegurar que todos os cidadãos, independentemente da sua situação financeira ou profissional, tenham direito a uma prestação mínima de subsistência, “sem prova de meios ou obrigação de trabalhar”. A ex-deputada do PAN diz que a medida é ainda mais premente tendo em conta a crise provocada pela pandemia da Covid-19.
Comentários