Maria Luís de Albuquerque saiu da Arrow Global e regressou ao IGCP

Maria Luís de Albuquerque regressou ao seu lugar de origem no IGCP, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública liderada por Cristina Casalinho, apurou o JE.

Cristina Bernardo

A ex-ministra das Finanças, Maria Luís de Albuquerque, que desde 2016 estava como administradora não executiva da empresa com sede em Londres, saiu do board da Arrow Global há cerca de dois meses, segundo fonte da empresa. A saída da economista portuguesa ocorre depois da  TDR Capital LLP, gestora de private equity, ter comprado a Arrow Global que deixou assim de ser cotada em bolsa. Na sequência dessa aquisição todo o board da empresa saiu, segundo fonte próxima.

O Jornal Económico sabe que Maria Luís de Albuquerque regressou ao seu lugar de origem no IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, liderado por Cristina Casalinho.

Ex-ministra das Finanças do Governo de Pedro Passos Coelho, tendo sucedido no cargo a Vítor Gaspar, Maria Luís chega ao Executivo do governo de coligação PSD/CDS como secretária de Estado do Tesouro e Finanças, quando o país estava sob intervenção da troika (FMI, BCE e Comissão Europeia).

Quando em 2015, depois da “saída limpa” da troika, a coligação PSD/CDS ganha as eleições sem maioria absoluta, o Partido Socialista faz um acordo parlamentar à esquerda e assume o Governo. Maria Luís é então convidada pela grupo Arrow Global, para administradora executiva e passa ainda integrar o comité de auditoria e de risco da entidade.

O convite à ex-ministra das Finanças gera na altura críticas dos partidos políticos de esquerda.

Maria Luís manteve-se no cargo até este ano, tendo regressado ao IGCP que gere a dívida pública direta do Estado e a dívida das entidades do sector público.

Não foi possível contactar a ex-ministra das Finanças.

Licenciada em Economia na Universidade Lusíada de Lisboa em 1991, é mestre em Economia Monetária e Financeira pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa desde 1997. Foi técnica superior na Direção-Geral do Tesouro e Finanças entre 1996 e 1999, técnica superior do Gabinete de Estudos e Prospetiva Económica do Ministério da Economia entre 1999 e 2001, desempenhou funções de assessora do Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças em 2001, foi Diretora do Departamento de Gestão Financeira da Refer entre 2001 e 2007 e coordenou o Núcleo de Emissões e Mercados do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público entre 2007 e 2011.Foi docente na Universidade Lusíada de Lisboa, no Instituto Superior de Economia e Gestão e no polo de Setúbal da Universidade Moderna entre 1991 e 2006.

Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários