Mariana Mortágua: “A não execução da despesa é uma característica deste Governo”

“Nós aprovamos orçamentos e depois verificamos que a despesa não é executada, ao mesmo tempo que há enormes limitações quando se negoceiam”, considerou Mariana Mortágua

Cristina Bernardo

A deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua considerou, esta terça-feira, “intolerável o tipo de gestão das contas públicas”, em reação à notícia que dá conta de que o Orçamento de 2020 teve a taxa de execução mais baixa em dez anos.

“A não execução da despesa é uma característica deste Governo. Nós aprovamos orçamentos e depois verificamos que a despesa não é executada, ao mesmo tempo que há enormes limitações quando se negoceiam”, considerou Mariana Mortágua, segundo consta no site do BE.

Mariana Mortágua acredita que “há sempre mecanismos para executar verbas” e acrescenta que apesar de serem compreensíveis “pequenos desvios”, uma quantia que se eleva a 7.000 milhões de euros “é demasiado”. “Não há justificação para esta fraca execução orçamental a não ser fazer um garrote à despesa pública”, completou.

A bloquista esclarece que o executivo poderia “deslocar verbas e obrigar à execução”, podendo “pedir autorização ao Parlamento para essa realocação, desde que a justifique”. Portanto, na perspetiva de Mariana Mortágua, “se o dinheiro não é gasto num lado, então deve ser gasto noutro onde faça falta. Não pode é chegar ao fim do ano e não conseguir executar o Orçamento. Por isso, se não executa, ou é incompetência ou estratégia deliberada”.

Mariana Mortágua defende que as medidas “são aprovadas mas entram em vigor muito tarde ou com grandes restrições: é o truque para gastar menos dinheiro.” As medidas de apoio a trabalhadores informais e cuidadores informais foram um exemplo desta prática do Governo.

Em causa está a notícia de que entre 2011 e 2019, a taxa de execução dos orçamentos situou-se entre 96% e 98%. Em 2020, foi apenas de 93,2%.

Ler mais
Relacionadas

PremiumPartidos contestam destino dos milhões da ‘bazuca’ europeia

À direita, critica-se plano pouco virado para as empresas. E esquerda pede mais apoios sociais.

BE chama ministros das Finanças e do Ambiente ao Parlamento e acusa Governo de permitir “esquema da EDP para fugir aos impostos”

Esta posição foi transmitida pela dirigente do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua, com base na análise do contrato de concessão de seis centrais hidroelétricas do Douro Internacional, ao qual disse ter sido acrescentada uma adenda para “dar a forma de reestruturação empresarial – cisão e fusão – a um negócio que é uma venda pura e simples” da EDP à Engie, com recurso a “uma empresa veículo”.

EDP “fugiu” a imposto de 110 milhões de euros na venda de seis barragens à Engie, acusa Mariana Mortágua

O Bloco de Esquerda considera que este operação tem vários problemas: “Ao mascarar esta operação de venda numa fusão, a EDP pretendeu utilizar abusivamente o benefício fiscal que se aplica às fusões e cisões” já que nestas situações “não são pagos os impostos, como o imposto de selo”. Mariana Mortágua acusou a EDP de “fugir” ao imposto de selo, deixando de pagar um imposto de 110 milhões.
Recomendadas

PS exige demissão de Pedro Machado da presidência da Turismo Centro

Diversas federações do PS exigiram a “demissão imediata” de Pedro Machado, candidato do PSD à Figueira da Foz, da presidência da Turismo Centro de Portugal (TCP) e a convocação de eleições para aquela entidade.

Marcelo com mais de 60% de mulheres na sua equipa no segundo mandato

O Presidente da República vai ter mais de 60% de mulheres nas suas casas Civil e Militar no segundo mandato, que serão a maioria dos licenciados.
Francisco Camacho

Francisco Camacho eleito presidente da Juventude Popular

Antigo presidente da concelhia de Lisboa da organização juvenil do CDS-PP sucede a Francisco Rodrigues dos Santos, cujo mandato foi terminado de forma interina por Francisco Maia.
Comentários