Mariana Mortágua sobre a saída de Centeno: “Importante são as medidas que vamos negociar no suplementar”

A deputada do Bloco de Esquerda disse ainda que a eventual nomeação do ex-Ministro das Finanças para Governador do Banco de Portugal “é uma matéria complexa e demasiado séria para ser centralizada apenas numa figura”.

Cristina Bernardo

Mariana Mortágua recusou fazer comentários sobre a saída de Mário Centeno do Governo. Para a deputada do Bloco de Esquerda (BE), “o importante não são os nomes, o importante são as medidas que vamos negociar e votar no Orçamento Suplementar”.

“Queremos continuar as negociações que já tivemos e que elas incidam sobre as prioridades que temos tido: o reforço do Serviço Nacional de Saúde, o rendimento de todas as pessoas, quer dos trabalhadores, quer dos trabalhadores independentes e informais que ainda não conseguem ter um apoio que lhes permita viver a vida com dignidade”, referiu Mariana Mortágua.

Em relação à demissão de Mário Centeno e a escolha de João Leão para o cargo de Ministro das Finanças, Mariana Mortágua foi peremptória. “Não sou comentadora política. Não estou aqui para comentar o passado de Mário Centeno, nem para fazer considerações sobre a escolha do Governo”.

Já sobre a eventual nomeação de Centeno para o cargo de Governador do Banco de Portugal, a deputada do BE” frisou que” é uma matéria complexa e demasiado séria para ser centralizada apenas numa figura”, realçando que “a grande preocupação deve ser a proteção do Banco de Portugal dos interesses dos banqueiros e o Banco de Portugal é uma instituição que está infiltrada por banqueiros. Esse tem sido o problema até hoje da instituição que é suposto regular o sistema financeiro”.

Para Mariana Mortágua, “a independência do poder público não se coloca nos mesmos termos do poder privado, porque em teoria, o Governo, o poder público e o Banco de Portugal deviam ter os mesmos objetivos e interesses e não um conflito de interesses”.

A deputada referiu que na base desses objetivos devem estar “o interesse em proteger o país, a estabilidade financeira e da economia”, acrescentando que o BE não vai aceitar que “se trate governantes e banqueiros da mesma forma no seu acesso às entidades reguladoras e achamos até que o Banco de Portugal tem que se submeter mais às regras democráticas e não ter o estatuto de exceção”.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários