Marine Le Pen pede a Macron “respostas fortes” a “sofrimento” dos “coletes amarelos”

A presidente da União Nacional, Marine Le Pen, pediu hoje ao Presidente francês, Emmanuel Macron, “respostas fortes” face ao “sofrimento social” manifestado pelos “coletes amarelos”, que continuam a manifestar-se em Paris e em toda a França.

A presidente da União Nacional, Marine Le Pen, pediu hoje ao Presidente francês, Emmanuel Macron, “respostas fortes” face ao “sofrimento social” manifestado pelos “coletes amarelos”, que continuam a manifestar-se em Paris e em toda a França.

“É preciso que [Mácron] tome consciência do sofrimento social e lhe dê respostas fortes e imediatas”, afirmou em Bruxelas, à margem de um encontro sobre o Pacto Global para a migração, organizado pelo partido nacionalista flamengo Vlaams Belang, no qual participa também Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump.

“Apelo uma vez mais ao Presidente da República para ter em conta o sofrimento que é manifestado e dar-lhe uma resposta”, insistiu, pedindo também a Macron para não ficar fechado no Eliseu e calado.

Cerca de 31.000 “coletes amarelos” manifestaram-se hoje em toda a França, 8.000 dos quais em Paris, no quarto grande dia de protestos, que já levaram a mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris, segundo o governo.

Os números são semelhantes aos do último sábado.

O movimento dos “coletes amarelos” começou há algumas semanas em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

Ler mais
Recomendadas

Dados oficiais elevam para 207 número de mortos no Sri Lanka

A oitava e última explosão, até ao momento, teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

Oito explosões elevam para 187 o número de mortos no Sri Lanka

Após as oito explosões, o Governo decretou o Estado de Emergência e a polícia impôs o recolher obrigatório com efeito imediato perante o perigo de novos ataques.

Português entre os 156 mortos numa série de explosões no Sri Lanka

As explosões ocorreram “quase em simultâneo”, pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.
Comentários