Marine Le Pen pede a Macron “respostas fortes” a “sofrimento” dos “coletes amarelos”

A presidente da União Nacional, Marine Le Pen, pediu hoje ao Presidente francês, Emmanuel Macron, “respostas fortes” face ao “sofrimento social” manifestado pelos “coletes amarelos”, que continuam a manifestar-se em Paris e em toda a França.

A presidente da União Nacional, Marine Le Pen, pediu hoje ao Presidente francês, Emmanuel Macron, “respostas fortes” face ao “sofrimento social” manifestado pelos “coletes amarelos”, que continuam a manifestar-se em Paris e em toda a França.

“É preciso que [Mácron] tome consciência do sofrimento social e lhe dê respostas fortes e imediatas”, afirmou em Bruxelas, à margem de um encontro sobre o Pacto Global para a migração, organizado pelo partido nacionalista flamengo Vlaams Belang, no qual participa também Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump.

“Apelo uma vez mais ao Presidente da República para ter em conta o sofrimento que é manifestado e dar-lhe uma resposta”, insistiu, pedindo também a Macron para não ficar fechado no Eliseu e calado.

Cerca de 31.000 “coletes amarelos” manifestaram-se hoje em toda a França, 8.000 dos quais em Paris, no quarto grande dia de protestos, que já levaram a mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris, segundo o governo.

Os números são semelhantes aos do último sábado.

O movimento dos “coletes amarelos” começou há algumas semanas em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

Ler mais
Recomendadas

Revolta dos “coletes amarelos” já causou prejuízos superiores a mil milhões de euros

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, disse hoje que os protestos foram um golpe sério para as empresas e a economia da nação.

Emmanuel Macron fala aos franceses na segunda-feira

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai dirigir-se à nação na segunda-feira às 20:00 (19:00 em Lisboa), anunciou hoje o Eliseu, após o silêncio em relação às últimas manifestações dos “coletes amarelos”.

Bernard Madoff: 10 anos sobre maior esquema Ponzi da história

Considerado o autor da maior fraude de sempre, foi condenado, aos 71 anos, a 150 anos de prisão. Em tribunal, pediu desculpa aos investidores, empregados e à mulher.
Comentários